Tem lugar com solenidade o desfile militar pelo 90º aniversário da fundação do ERPC

Pyongyang, 26 de abril (ACNC) — Todos os habitantes do país e os oficiais e soldados do Exército Popular da Coreia, que cumprem a grande tarefa de construir um país próspero e um exército poderoso sob a orientação do grande Partido do Trabalho da Coreia, que dá vitalidade eterna à linhagem da revolução do Juche, iniciada no monte Paektu, acolhem com orgulho e dignidade o dia de relevância nacional que deu origem às forças armadas revolucionárias da República Popular Democrática da Coreia.

Em comemoração ao 90º aniversario da fundação do Exército Revolucionário Popular da Coreia, primeiras forças armadas revolucionárias de tipo jucheano, teve lugar no dia 25 com solenidade na Praça Kim Il Sung da capital o desfile militar que se registrará em letras douradas nos anais da Pátria.

Estava adornada com luzes deslumbrantes a Praça da parada onde se manifestariam plenamente a orgulhosa história e o poderio invencível das forças armadas revolucionárias que avançaram vitoriosamente tendo sua origem no monte Paektu e mantendo a grande ideia e espírito e as nobres proezas e tradições.

Os fidedignos paraquedistas deram um início singular ao desfile ao aterrissar na Praça demonstrando suas fascinantes habilidades de descida e flamejando a bandeira nacional de grande porte.

Em seguida entrou o Coro Estatal Benemérito encarregado de interpretar a música da ocasião.

Na continuação, foi realizada a cerimônia de entrada da banda militar geral.

Enquanto ressoavam as canções militares revolucionárias e combativas, a banda desenhou no chão com suas formações em constante mudança as duas pistolas, que simbolizam a origem das forças armadas revolucionárias coreanas, as datas como “25 de abril” e “90”, o emblema do Partido e a palavra “defesa”.

Em 25 de abril de 21 da era Juche (1932), foi fundado o Exército Revolucionário Popular da Coreia pelo Presidente Kim Il Sung, herói lendário anti-japonês, acontecimento que inspirou a esperança sobre a libertação da pátria nos coreanos que se viram privados de sua língua e até de seus sobrenomes e nomes por não terem um exército capaz de defender o território nacional.

A banda militar demonstrou com melodias vívidas e movimentos vigorosos que aquele dia deu início à história do exército revolucionário sempre vitorioso no enfrentamento de 90 anos com os inimigos imperialistas mais atrozes e poderosos e à nobre tradição do único exército revolucionário do Partido, forte na ideologia e convicção.

Logo, entraram com galantaria na Praça as colunas do desfile ao compasso da música orquestral de vitória que simboliza o avanço impetuoso da Pátria apesar de múltiplas dificuldades e provas.

Os participantes do desfile se encontravam muito orgulhosos e dignos por defender a tranquilidade do grande Partido, da grande pátria e do grande povo.

Nas ruas contíguas, estavam enfileirados os armamentos sofisticados de diferentes tipos que mostram o desenvolvimento prodigioso das forças armadas da RPDC que, naquele 25 de abril de há 90 anos, haviam declarado a guerra de vida ou morte contra os invasores com pouco mais de 100 fuzis.

Esperavam a ordem de decolagem e o momento de sobrevoar a Praça da parada as esquadrilhas das forças aéreas que defendem como muralha de aço o céu da pátria com a sagrada missão de salvaguardar o Partido e a revolução.

Todos os participantes do desfile dirigiam seus olhos para a tribuna da Praça esperando o momento de honra de serem revistados pelo estimado camarada Kim Jong Un, destacado líder da revolução jucheana, símbolo do poderio e representante da dignidade do Partido e do Estado.

Quando chegou à praça junto com sua esposa Ri Sol Ju o estimado camarada Kim Jong Un, Secretário-Geral do Partido do Trabalho da Coreia, Presidente dos Assuntos Estatais e Comandante Supremo das Forças Armadas da República Popular Democrática da Coreia, realizou-se a solene cerimônia de recepção da Guarda de Honra do Exército Popular da Coreia.

Depois de receber a saudação de recepção do chefe da Guarda, o Comandante Supremo passou em revista dela e dos estandartes gloriosos das grandes unidades combinadas do EPC.

Acolheram-no os quadros diretivos do Ministério da Defesa Nacional e os comandantes das unidades combinadas e das outras de grande porte.

Os comandantes prestaram homenagem ao Comandante Supremo que possibilitou às forças armadas revolucionárias, pilar do potencial de defesa nacional e baluarte em defesa da revolução e da pátria, ostentar seu poderio político e militar com este desfile significativo no dia de seu nascimento.

Enquanto ressoava a música de boas-vindas, o Secretário-Geral saiu à tribuna da praça junto com sua esposa Ri Sol Ju.

Todos reunidos na praça o acolheram com aclamações e gritos de “Kim Jong Un” e “Defesa intransigente”.

O Secretário-Geral respondeu cordialmente com a mão levantada aos aplausos dos participantes na parada e da multidão.

Os membros da União de Crianças da Coreia entregaram buquês de flores ao Secretário-Geral e à sua esposa Ri Sol Ju.

Ocuparam a tribuna também Pak Jong Chon, membro do Presidium do Bureau Político do Comitê Central do PTC, vice-presidente da Comissão Militar Central do Partido e secretário do Comitê Central do PTC, Ri Byong Chol, membro do Presidium do Bureau Político e secretário do Comitê Central do PTC, os quadros diretivos dos órgãos das forças armadas como Ri Yong Gil, Kwon Yong Jin e Rim Kwang Il, os chefes e os comissários políticos das grandes unidades combinadas e os chefes das unidades combinadas.

Ocuparam os assentos de convidados de honra Choe Ryong Hae, membro do Presidium do Bureau Político do Comitê Central do PTC, primeiro vice-presidente do Comitê de Assuntos Estatais e presidente do Presidium da Assembleia Popular Suprema da República Popular Democrática da Coreia, Jo Yong Won, membro do Presidium do Bureau Político e secretário de organização do CC do PTC, e Kim Tok Hun, membro do Presidium do BP do CC do PTC, vice-presidente do Comitê de Assuntos Estatais e Primeiro-Ministro da RPDC.

Apresentaram-se ali também Ri Il Hwan, Jong Sang Hak, O Su Yong, Thae Hyong Chol, Kim Jae Ryong, Kim Yong Chol, Jong Kyong Thaek, Pak Jong Gun, O Il Jong, Ho Chol Man, Pak Thae Dok, Kim Hyong Sik, Yu Jin, Pak Myong Sun, Ri Chol Man, Kim Song Nam, Jon Hyon Chol, Ju Chol Gyu, Ri Son Gwon, Ri Thae Sop, U Sang Chol, Kim Yong Hwan e outros quadros do Partido e do governo.

Foram convidados Ri Myong Su, Thae Jong Su, Choe Yong Rim, Kim Kyong Ok e outros quadros veteranos que trabalharam muito tempo no Partido, no governo e no círculo militar.

Distinguiam-se nos assentos para convidados os participantes nas festividades do aniversário de 90 anos da fundação do ERPC.

Foi realizada solenemente a cerimônia de hasteamento da bandeira nacional da RPDC.

Ao compasso da melodia solene da canção “Nossa bandeira nacional”, entrou uma coluna de mulheres em movimento caminhando sobre o tapete vermelho estendido na pista da praça e descrevendo a estrela que brilhava no boné militar da guerrilha anti-japonesa.

Sobrevoaram também os drones formando a bandeira nacional.

Os guardas de honra do EPC saíram da fila da estrela, que chegou à parte central da praça, e marcharam em direção ao mastro com a bandeira nacional na mão.

Com o grande coro do hino nacional, foi hasteada lentamente a sagrada bandeira nacional que simboliza a imagem invencível da pátria e registrou todos os milagres e vitórias na terra pátria assegurando o futuro maravilhoso do povo.

Flamejava no céu a bandeira que tinha sido hasteada pela primeira vez no firmamento da nova Coreia livre da colonização japonesa pelo Presidente Kim Il Sung.

Trata-se da bandeira da Coreia socialista que defendeu com firmeza o Dirigente Kim Jong Il superando as adversidades de toda índole da história, e do ensinamento da potência mui digna que se fortificou com os milagres e mudanças lendárias sob a destacada guia do Secretário-Geral.

Todos os participantes olharam com reverência para a bandeira nacional azul-marinho e vermelho, tomando a decisão de hasteá-la geração após geração e amar e fazer brilhar esta pátria do povo, o socialismo ao estilo coreano mais valioso.

Os fogos de artifício foram lançados no céu da Praça.

E durante a performance solene da música “Pátria radiante”, 21 salvas foram disparadas.

Ao proferir o discurso de celebração, o Secretário-Geral referiu-se ao profundo significado da fundação há 90 anos das primeiras forças armadas coreanas para a história da revolução coreana e a nacional e para o desenvolvimento posterior do Estado e do povo.

Assinalou que as armas da revolução, que levantaram os excelentes filhos e filhas do povo coreano na selva do monte Paektu significaram o espírito independente da nação, a esperança e a bandeira de grande unidade e serviram de força motriz que semeou a mentalidade de autoestima e a grande potência no punho dos coreanos, que antes apenas enxugavam suas lágrimas.

Apontou que será invencível no futuro também a causa socialista ao estilo coreano enquanto palpite com o sangue e nobre espírito dos mártires revolucionários o coração de todos os oficiais e soldados das forças armadas da RPDC e se ponham sempre à frente da revolução essas tropas encarnando a ideia e vontade do PTC e o poderio do Estado e do povo.

Por último, exortou fortemente a lutar com vigor pela tranquilidade e felicidade de nosso grande povo e pela glória e vitória eternas de nosso grande Estado.

Escutando o discurso comovedor do Secretário-Geral, todos os participantes se sentiram muito orgulhosos de serem guiados pelo General Insigne sem par e contar com as forças armadas revolucionárias que vêm garantindo a subsistência e desenvolvimento do Estado e a felicidade do povo defendendo a linhagem da revolução coreana e a ideia e causa do PTC.

Em seguida, teve lugar a revista aos preparativos da parada.

O vice-marechal do EPC Ri Yong Gil, ministro da Defesa Nacional da RPDC, informou ao marechal do EPC Pak Jong Chon, vice-presidente da Comissão Militar Central do Partido, que as unidades participantes da parada estão enfileiradas para serem revistadas previamente.

Após sua inspeção, Pak deu com cortesia ao Secretário-Geral do PTC o relatório de que está pronto o desfile militar em homenagem ao 90º aniversario da fundação do ERPC.

Começaram a marchar as colunas das forças armadas da RPDC, organizadas no calor da luta anti-japonesa e desenvolvidas e fortalecidas como exército de elite do Partido registrando as vitórias e glórias no curso de sua história.

Entrou na Praça o esquadrão de honra.

A cavalaria passou a trotes vigorosos com o mesmo espírito e ímpeto do ERPC, guiado então pelo Comandante Guerrilheiro Anti-Japonês Kim Il Sung a cavalo branco.

Marchou sob a bandeira vermelha a coluna em uniforme do período da luta armada anti-japonesa que constitui a primeira geração das forças armadas revolucionárias que criou pela primeira vez na história o exemplo de defesa intransigente do líder e preparou a tradição de triunfar com a ideia e convicção.

O bloco do tempo da Guerra de Libertação da Pátria cruzou a Praça ostentando os estandartes que transmitem as indeléveis proezas dos soldados heroicos da década de 1950 que criaram o milagre militar inaudito de vencer com fuzil a bomba atômica continuando a grande tradição de vitória da guerra revolucionária em que foi derrotado o bandidesco imperialismo japonês que menosprezava o ERPC como “uma gota no oceano”.

A coluna fez recordar a árdua contenda de 3 anos contra a invasão imperialista norte-americana, em que foram criados nos montes, céu e mar os mitos de vitória nunca antes vistos na história mundial de guerras, ostentando a coragem indomável dos soldados do EPC.

Apareceram na Praça as colunas do departamento de escolta do CC do Partido e a direção de escolta da Comissão de Assuntos Estatais, defensores do Estado-Maior-Supremo da Revolução Coreana, demonstrando claramente o caráter revolucionário e a missão importantíssima que assumiram perante a nação as forças armadas da RPDC.

Seguiram-lhes as fileiras da direção de escolta e o comando de escolta dispostas a defender na primeira linha o CC do Partido sendo bastião de aço, ao dar continuidade ao nobre espírito dos guarda-costas da guerrilha anti-japonesa que defenderam ao risco da vida o Comando da Revolução.

Desfilou a coluna do corpo de exército nº 1, conhecida como unidade de tigres do monte Paektu e a primogênita do EPC encarregada de defender a frente oriental, agitando os estandartes de suas divisões de elite que causam pânico aos inimigos.

Atravessaram os esquadrões do corpo nº 2, unidade que deu origem ao espírito de um contra cem inimigos, e do outro nº 4, que defendem a primeira linha da frente ocidental, colocando à frente os estandartes das divisões e brigadas que frustraram com um golpe as imprudentes provocações militares dos inimigos.

Pulsava no bloco do corpo de exército nº 5, encarregado da parte central da frente, a disposição de extermínio ao inimigo dos oficiais e soldados da primeira linha da frente que realizam méritos militares defendendo na dianteira a pátria e a revolução, assim como os guardas do tempo da guerra coreana.

Ao som da canção militar, passaram as colunas das forças navais e aéreas com os estandartes das frotas navais e das divisões de aviação, conhecidas como pelotão do mar que desafia a morte e escudo do céu, respectivamente.

Apresentaram-se na Praça os lançadores de mísseis da coluna de forças estratégicas, símbolo do poder irresistível das forças armadas da RPDC, e seguiram-lhes a fileira de tropas especiais que desferirão golpe demolidor aos inimigos em qualquer teatro operacional de terra, mar e céu se lhes vier a batalha decisiva.

O estimado camarada Kim Jong Un estendeu saudação combativa aos oficiais e soldados das unidades medulares na frente de ataque principal, que defendem confiavelmente as primeiras trincheiras da defesa nacional formando a espinha dorsal das forças armadas revolucionárias.

Todos os integrantes do desfile deram aclamações ao Comandante de Aço que, sob a bandeira de transformação de todo o exército segundo o Kimilsungismo-Kimjongilismo, abre a era de esplendor das forças armadas ao armar o EPC com o espírito do monte Paektu e fortalecê-lo e desenvolvê-lo mais do que nunca como vanguarda da revolução e o moderno e sofisticado, convertido à maneira do PTC.

Passaram diante da tribuna as colunas dos corpos que defendem os mares da pátria, as zonas setentrionais e as fronteiras, seguindo os corpos de artilharia antiaérea Nº 91 e Nº 3, que cumprem a missão de proteger Pyongyang, coração da revolução coreana, onde está situado o Comitê Central do Partido.

Entre os blocos que marchavam a passos vigorosos demonstrando o ímpeto de Exército Revolucionário do monte Paektu, herdeiro da tradição da guerrilha anti-japonesa que gravou em seu estandarte a data “25 de abril”, distinguiam-se as fileiras da Divisão Guarda de Tanques 105 “Seul” Ryu Kyong Su, a de infantaria motorizada nº 425 e outras das divisões de tanques e da infantaria motorizada que assumem a missão de ocupar de uma só vez as zonas operacionais assinaladas pelo Comando Supremo.

Desfilaram diante da tribuna os blocos de batedores, infantaria de montanha, unidade operacional de perturbação eletrônica e outras especialidades, da Academia Militar General Kim Il Sung, máximo centro de ensino militar que garante o poderio eterno e invencível das forças armadas revolucionárias, da Academia Militar e Política Kim Jong Il, centro docente de formação dos comandantes de alto nível do país, da Academia Militar Política Kim Il Sung, que contribui para a conversão do exército no poderoso no plano polítoco-ideológico e moral, e da Academia de Defesa Nacional Kim Jong Un, que faz aporte especial à formação de talentosos da ciência e tecnologia de defesa Jucheana

Seguiram-lhes os grupos das academias militares de todos os níveis, dispostos a arriscar-se desafiando a morte para defender o General Insigne que, com seu grande afeto e confiança, dá-lhes a estratégia de vitória e a inspira bravura incomparável.

Passaram com vigor ao compasso das canções de marcha as fileiras das escolas revolucionárias que se preparam como pilares da revolução jucheana herdando com firmeza a linhagem de Mangyongdae e a do monte Paektu nos centros de educação para os filhos de mártires revolucionários onde estão sintetizados a ideia do PTC sobre a revolução contínua e seu amor pelo futuro e as gerações vindouras.

Marcharam, ademais, os blocos da Guarda Vermelha Operário-Camponesa, desenvolvida como fidedignas forças armadas em defesa da pátria socialista e da terra natal que continuam a tradição da resistência massiva, criada no calor da luta armada anti-japonesa.

Sustentavam no alto seus estandartes as fileiras encabeçadas pelo secretário responsável do Comitê do Partido na cidade de Pyongyang e os outros dos comitês partidários provinciais.

Estavam cheias do ímpeto combativo a coluna do Ministério de Segurança Estatal, a de oficiais femininas do trânsito, a brigada canina, o corpo de mobilidade especial das Forças de Segurança Pública e a de profilaxia emergente, que ostentaram seu aspecto ostentoso de tropa política do Partido encarregada de salvaguardar as nobres conquistas da Pátria socialista e a segurança do povo, e unidade seleta que defende um flanco das forças armadas revolucionárias.

O Secretário-Geral estimulou com a mão levantada as colunas que defendem com firmeza a primeira linha da luta de classes mantendo a nobre tradição de permanecerem fiéis à sua missão de defender o líder, o sistema e o povo nos anais severos da revolução.

Ecoaram as aclamações dos participantes do desfile militar como se confirmassem a verdade de que na defesa do Comitê Central do Partido residem o destino da Pátria, a felicidade do povo e a vitória da revolução coreana.

Em seguida, começou no céu noturno de Pyongyang o voo de parada das forças aéreas do EPC.

Em formações representando a estrela de cinco pontas e o loureiro, os esquadrões aéreos voaram pelo céu acima da Praça enquanto soltavam fogos de artifício para iluminar o céu.

Os espectadores lançaram gritos de admiração ao ver o voo rasante e a subida repentina dos aviões.

Um esquadrão em forma de leque voou lançando os fogos de artifício e refletindo o firme juramento dos pilotos de defender com a vida o CC do PTC.

Em seguida, iniciou-se a marcha das colunas motorizadas do EPC, destacamento vanguardista de fidelidade que avança apenas pelo caminho indicado pelo CC do PTC compartilhando o destino com esta organização política.

Entraram na Praça os blocos de mísseis táticos de último modelo com seus estandartes, bem decididos a destruir já no momento inicial os apetrechos bélicos dos agressores com sua elevada mobilidade e capacidade de ataque aniquilante.

Cruzou a Praça a fileira de tanques principais, símbolo da combatividade e punho de aço do EPC.

Percebia-se a determinação dos tanquistas coreanos de içar antes de mais ninguém a bandeira da vitória se lhes chegar o momento de batalha decisiva, continuando a tradição da unidade guarda de tanques do tempo da passada guerra coreana.

Seguiram-lhes para desfilar as forças de artilharia, arma nº 1 do EPC e a mais poderosa do mundo, cheias da vontade de envolver em chamas as bases inimigas se for dada a ordem de disparo do CC do Partido e lançar as salvas de vitória.

O estimado camarada Kim Jong Un apresentou a extraordinária ideia e teoria militares de que a verdadeira capacidade defensiva é precisamente a de ataque e fez cultivar o formidável potencial ofensivo e o predominante poderio militar, capazes de prevenir a guerra, garantir a segurança estatal e controlar a ameaça e chantagem dos imperialistas.

Viu-se na Praça a torrente de ferro dos coletivos crescidos como os sofisticados de ataque sem rival sob a orientação do genial estrategista militar e General Insigne sem par.

Marchou imponente a coluna de lançadores de foguetes reativos supergrandes, um dos armamentos absolutos da Coreia, que podem devastar a qualquer momento os alvos principais dentro da zona operacional com um golpe surpresa e sucessivo.

Saltavam à vista os blocos de mísseis estratégicos com a forte capacidade executiva de guerra, com a qual podem responder a qualquer modo de guerra em todos os espaços do céu, terra, mar e cosmos e frustrar taxativamente qualquer ação dos inimigos.

Entraram um após o outro na Praça os armamentos ao estilo do PTC, patrimônios eternos da nação que não serão trocados por nada e infundem grande orgulho.

Nossa pátria ostenta sua galantaria de potência militar que preparou perfeitamente o inesgotável dissuasivo de autodefesa sob a destacada direção do Secretário-Geral que cumpriu a histórica causa de completar as forças armadas nucleares com sua abnegação patriótica e decisão de vida ou morte, de modo que o povo coreano possa viver alegremente de geração em geração sem conhecer nunca o flagelo da guerra.

A multidão aclamou os armamentos absolutos de tipo Juche que ensinam a verdade de que sairão sempre vitoriosos o país e o exército que defendem firmemente e levam adiante a revolução com uma grande origem e história e a causa iniciada pelo líder, e que fazem conhecer o caráter avançado, moderno e valoroso do Estado.

Em meio à música solene e o foco das luzes, entrou na Praça o ICBM “Hwasongpho-17”, que representa as forças estratégicas da RPDC.

Nesse instante, toda a Praça ferveu com o júbilo e a emoção de ver de perto a figura formidável do ICBM que em 24 de março foi lançado ao céu demonstrando a todo o mundo a força absoluta da Coreia do Juche e a posição estratégica da RPDC.

Os reunidos dirigiram máxima glória ao estimado camarada Kim Jong Un, grande defensor da justiça e da paz e herói sem par, que preparou a maior força estatal depois da fundação do país e abriu a época da potência mais digna na história nacional de 5 milênios, a de dar primazia ao nosso Estado, ao dirigir a pátria e o povo com a ideia e orientação destacadas, o amor fervoroso e a confiança absoluta.

A passagem impetuosa do armamento mais poderoso do mundo, que representa o espírito do Juche e o patriotismo de todo o povo e garante o futuro eterno da Pátria e da nação, demonstrou a vontade inabalável do nosso Partido e povo de impulsionar com mais vigor o desenvolvimento sustentável da capacidade de autodefesa nacional, do dissuasivo de guerra, que são a raiz da subsistência e garantia de desenvolvimento do Estado.

Terminado o desfile militar, explodiram outra vez as estrondosas vivas e se lançaram os fogos de artifício ao céu noturno de abril desde o meio do rio Taedong e distintos pontos da Praça.

O Secretário-Geral do PTC respondeu cordialmente com a mão levantada às aclamações da multidão.

A Praça estava repleta do entusiasmo revolucionário de todos os participantes por permanecerem sempre fiéis ao Secretário-Geral convencidos de que graças a ele são invulneráveis a revolução coreana, iniciada sob a direção do Presidente Kim Il Sung, e o socialismo coreano, defendido sob a orientação do Dirigente Kim Jong Il, e será muito promissor o futuro da Pátria.

O desfile militar em homenagem ao 90º aniversário da fundação do ERPC tornou-se um acontecimento especial que demonstrou outra vez a todo o mundo a invencibilidade, a potência e o aspecto de desenvolvimento transformador das forças armadas da RPDC, que garantem a continuação e a culminação da causa revolucionária do Juche, pondo em destaque a fastuosa imagem de exército revolucionário do Partido, absolutamente fiel à ideia e direção do PTC, e de corpo armado sem rival que defende confiavelmente a paz da Península Coreana e da região.

Igualmente, marcou um marco histórico para dar forte impulso à luta heroica do povo coreano que glorifica a grande época de Kim Jong Un, a nova de potência próspera.

Em vídeo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *