Coreia do NorteDiplomaciaMilitarRelações Intercoreanas

Kim Yo Jong denuncia despotismo e arbitrariedade dos EUA e declara que as reações equivalentes serão dadas às provocação deles

Pyongyang, 19 de fevereiro (ACNC) — A sub-chefe de departamento do Comitê Central do Partido do Trabalho da Coreia, Kim Yo Jong, fez pública no dia 19 a seguinte declaração:

Se realmente se preocupam com a situação regional da Península Coreana e desejam a paz e a estabilidade, nenhum país deve tolerar o despotismo e arbitrariedades dos EUA que tentam converter o Conselho de Segurança da ONU, que assume a importantíssima responsabilidade de preservar a paz e a segurança do mundo, em um aparato de implementação de sua cruel política hostil contra a RPDC.

Da mesma forma, não devem tolerar o ato maligno dos EUA e seus satélites que tentam fazer renunciar ao direito de autodefesa de um Estado soberano e é preciso fazê-los saber que isso é uma tentativa vã.

Desta vez também, nossos inimigos cometeram uma violação aberta sem fundamento contra a soberania da RPDC.

Os EUA e a cambada sul-coreana demonstram abertamente sua excessiva e perigosa ambição e tentativa de tomar a supremacia militar e a posição predominante na região da Península Coreana clamando o tempo inteiro sobre o dissuasivo ampliado e a disposição de defesa conjunta, sob o pretexto de se preparar contra a suposta ameaça de alguém, fato que piora cada vez mais a estabilidade regional e torna mais perigosa a situação.

Ao deixar de enganar o mundo com a falsidade de que não têm hostilidade à RPDC e estão abertos ao diálogo, os EUA devem abandonar a tolice de tentar ganhar tempo na mesa de conversação e cessar todas as ações ameaçadoras à segurança do nosso Estado, bem como pensar sempre cuidadosamente na sua própria segurança perspectiva, em vez de tentar manchar a nossa imagem.

Seria conveniente para os sul-coreanos pensarem em que tipo de desgraça trarão pra si mesmos se continuarem se comportando como agora se fingindo de “bravos” e metendo até o nariz onde não devem.

Deixo claro para esses tolos que nenhum míssil balístico intercontinental será apontado contra Seul.

Ainda não temos intenção de nos tratar com eles.

Por fim, advirto sob autorização.

Acompanharemos de perto cada movimento do inimigo e daremos a reação equivalente e esmagadoramente potente a qualquer ação hostil contra nós.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *