Coreia do NorteExércitoMilitar

𝐊𝐢𝐦 𝐉𝐨𝐧𝐠 𝐔𝐧 visitou posto de comando de treinamento do Estado-Maior-Geral do Exército

Pyongyang, 31 de agosto (ACNC) — O estimado camarada Kim Jong Un, Secretario-General do Partido do Trabalho da Coreia e Presidente dos Assuntos Estatais da República Popular Democrática da Coreia, visitou o posto de comando de treinamento do Estado-Maior-Geral do Exército Popular da Coreia e verificou o estado dos exercícios de comando em todo o exército.

Acompanharam-no nesta ocasião o marechal do EPC, Pak Jong Chon, e o general do exército Kang Sun Nam, ministro da Defesa Nacional.

O chefe do Estado-Maior-Geral e o diretor-geral de Reconhecimento do EPC receberam-no no posto de comando.

O EMG do EPC está avaliando e revisando a capacidade de organização e comando das operações dos comandantes e estados-maiores das unidades combinadas e outras de grande porte em diferentes níveis através do treinamento de comando em todo o exército desde o dia 29, diante dos perigosos exercícios conjuntos de grande envergadura com forte caráter provocativo realizados pelos EUA e pelos gângsteres do círculo militar da “República da Coreia” simulando a guerra total contra a RPDC.

O treinamento tem como objetivo fazer com que todos os comandantes e estados-maiores do exército adquiram a perfeita disposição para a guerra e capacidade de enfrentamento militar, treinando o procedimento de ação no momento da transição para o sistema de guerra, melhorando a capacidade de organizar e dirigir operações e combates e determinando as possibilidades reais do plano operacional.

O estimado camarada Kim Jong Un recebeu do chefe do EMG o relatório sobre a intenção de ação prevista das tropas inimigas e as nossas, de acordo com a situação de cada hora e etapa no caso de um estouro de guerra, e verificou em detalhes o estado de organização e marcha do treinamento de comando em todo o exército.

Estudou o plano do estado-maior de treinamento, que tem como objetivo geral ocupar todo o território sul-coreano ao repelir a invasão armada surpresa dos inimigos e passar ao contra-ataque total, bem como os documentos do plano operacional dos estados-maiores das unidades combinadas e outras de grande porte em diferentes níveis.

E examinou em detalhes os documentos dos planos operacionais reais do EMG para o tempo de emergência, como o plano de uso de artilheiros da frente e os planos de reserva estratégica, o plano de formação da frente na retaguarda inimiga e o plano para frustrar a incorporação das forças armadas estrangeiras, etc.

Enfatizou a importância de prestar maior atenção em dar duro golpe, já no início da operação, sobre as potencialidades de guerra dos inimigos e sua base central de comando da guerra e desabilitar os meios de comunicação de comando para que eles percam o ânimo desde o começo e tenham distúrbios em suas ações de combate, vendo-se privados da vontade e capacidade de cumprir a guerra.

Igualmente, ensinou especificamente as tarefas gerais, demandas de princípio e meios a serem seguidos pelo EPC na organização e comando de operações e na preparação de guerra no futuro. Isso inclui o problema de tomar o controle estratégico ao dar um golpe superpotente simultâneo e múltiplo nos enclaves de comando militar dos inimigos, suas bases navais e aeroportos operacionais e outros importantes objetivos militares, bem como os fatores nucleares que podem produzir em cadeia o distúrbio sociopolítico e econômico. Além disso, é necessário combinar e aplicar organicamente o combate de aniquilamento constante, a operação de ataque no front e a perturbação da retaguarda inimiga com diferentes meios de ataque. Em particular, é preciso tomar medidas perfeitas para proteger os meios de ataque contra qualquer reação dos inimigos e renovar geralmente o sistema de comando operacional e o modo de comunicações de direção do tiro.

Dizendo que a guerra moderna é o enfrentamento de cérebros e sua vitória ou derrota é decidida pelo cérebro do comandante antes mesmo do combate, ele instruiu os comandantes de todo o exército a se prepararem como guerreiros onipotentes e competentes que saibam se virar não apenas nos exercícios, mas também no campo de batalha. Para isso, é necessário realizar intensamente em um ambiente de guerra real o treinamento do estado-maior e o manejo das circunstâncias da operação, orientados para adquirir a provada capacidade organizativa e hábil arte de comando.

Os movimentos militares agitados e os frequentes exercícios militares ampliados de diferentes tipos dos EUA e dos gângsteres militares da “República da Coreia” são uma revelação contundente de seu intento de agredir a RPDC — afirmou e ressaltou novamente a necessidade de enfrentá-los totalmente.

Dando uma série de indicações importantes para intensificar o exercício de comando operacional e o de mobilidade para o combate do EPC, conforme exigido pelo ambiente de segurança nacional e pela situação atual, foram apresentadas as tarefas gerais e os meios para completar melhor os preparativos de guerra.

A fé combativa e a concepção de guerra dos comandantes do EPC se tornaram mais firmes após receberem o grande programa militar do estimado camarada Kim Jong Un. Sentiram-se invadidos pela vontade de conquistar todo o território sul-coreano ao derrotar sem piedade os inimigos em qualquer momento em que a ordem do Comandante Supremo seja dada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *