Quem é o verdadeiro provocador?

Recentemente, devido à medida de expulsão do diplomata russo pelos EUA, as relações já tensas entre a Rússia e os EUA se agravam cada vez mais.

No final de janeiro passado, os EUA ignoraram a exigência da Rússia de prorrogar o prazo de permanência do Ministro Conselheiro credenciado em Washington e tomaram a medida de expulsá-lo.

Em resposta a isso, em 17 de fevereiro, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia exigiu a saída do vice-embaixador americano em Moscou e, por meio da publicação de um comentário, mencionou que a guerra de expulsão de diplomatas e a “guerra de vistos” não foram escolhidas pela Rússia e que, devido à “guerra de vistos” provocada pelos EUA, a falta de pessoal nas representações diplomáticas russas torna-se ainda mais grave.

Na prática, há muitos exemplos de que os EUA incutiram o clima de confronto contra a Rússia ao expulsar muitos diplomatas russos e negar a emissão de seus vistos e o adiamento de sua estadia sob o pretexto de intervenção nas eleições presidenciais, tentativa de assassinato de agente de inteligência russa, ataque cibernético, etc.

Em 2016, os EUA, comentando a hipótese de intervenção russa nas eleições presidenciais norte-americanas, expulsaram mais de 30 diplomatas russos e, em 2018, fizeram o mesmo contra 60 diplomatas usando como pretexto tentativa de homicídio de ex-agente de Inteligência Russa ocorrido na Grã-Bretanha. Estes são exemplos típicos.

Sobretudo, em setembro de 2021, os EUA exigiram unilateralmente a saída de 55 diplomatas e funcionários russos e ameaçaram privar seus direitos a imunidades e privilégios legais caso não obedecessem e, por causa disso, em 26 de janeiro, 27 diplomatas russos deixaram o país e 28 diplomatas e suas famílias estão em situação de ter que deixar os EUA até 30 de junho.

Todos os fatos mostram que os EUA são de fato o provocador de todo tipo de conflito diplomático que, para cumprir seus propósitos ulteriores, atropela indiscriminadamente as práticas diplomáticas básicas, para não falar das leis internacionais.

Link

Leave a Reply

Your email address will not be published.