Eu vi a verdade na Coreia – O horrível relatório de Alan Winnington sobre assassinatos em massa e atrocidades nazistas perpetradas pelas forças dos EUA e por seu fantoche Syngman Rhee na Coreia – 1950 (+18)


Jornalista Britanico cobrindo a guerra da Coreia e compartilhando seu relato macabro e em detalhes das atrocidades cometidas pelo governo dos EUA na Coreia.

*(CONTEUDO SENSIVEL! APENAS PARA MAIORES DE 18 ANOS)*

Image for post

Eu vi a verdade na Coréia

POR ALAN WINNINGTON

Correspondente do Daily Worker em Pequim, acaba de voltar da Frente Coreana

Fatos e fotos que irão chocar a Grã-Bretanha

Image for post
Alan Winnington

foi enviado à China pelo Daily Worker na primavera de 1948 para obter a verdade sobre os eventos que estavam acontecendo e que abalaram o mundo.

Como o único correspondente britânico primeiro em Harbin e depois em Pequim, ele enviou postagens exclusivas ao Daily Worker sobre o tremendo progresso da Nova República Democrática do Povo Chinês.

Logo após a eclosão da guerra na Coréia e a terrível barragem contra os norte-coreanos que foi lançada pelo rádio e pela imprensa (Daily Herald e Daily Mail!), Ele foi à Coréia descobrir a verdade para os leitores do Daily Worker.

A verdade que é tão cuidadosamente escondida e distorcida pela imprensa milionária foi publicada apenas no Daily Worker na linha de Winnington da Coreia…

Em meados de setembro, o Daily Worker recebeu uma postagem longa pela rádio de Winnington em seu retorno a Pequim, dando uma imagem completa do que ele realmente viu lá. Os fatos terríveis revelados

e as fotografias que ele próprio tirou foram consideradas tão importantes que se decidiu imprimi-las em forma de panfleto para venda ao maior público possível.

Aqui está o panfleto. Leia atentamente. Olhe as fotos. Lembre-se disso. Esses fatos, disponíveis para todos, foram ocultados de você pelos outros jornais. Por quê? Os perigos de uma nova guerra mundial tornam importante que todos saibam a verdade sobre o que está acontecendo na Coréia. Você pode começar lendo este panfleto. Você pode continuar todos os dias lendo o

D A I L Y – W O R K E R

Você pode encomendá-lo em qualquer banca de jornal do país


O que eu vi na Coreia

Pequim. Setembro de 1950.

Nas montanhas da Coreia, os filhos de mães britânicas apodrecem ao vento; uma refeição para os grandes abutres que sobrevoam. Nenhuma palavra minha é necessária para enfatizar a importância de descobrir por que eles estão lá e qual será o resultado desse perigoso desenvolvimento no Extremo Oriente.

O Daily Worker me enviou à Coréia para obter os fatos em primeira mão e relatá-los ao público britânico. E então cheguei à Coréia em 16 de julho e fiquei cinco semanas.

Claro, antes de ir eu sabia que os americanos estavam bombardeando pesadamente e lutando mal. Eu sabia que as tropas de Syngman Rhee existiam apenas como unidades espalhadas e não havia mais um “Exército sul-coreano”; que efetivamente esta foi uma guerra entre a América e a Coréia. Esses fatos eram de conhecimento comum em todo o mundo, mas admito que não estava mentalmente preparado para tudo o que descobri.

Afinal, cinco anos atrás, nós e os russos éramos aliados dos americanos na guerra contra os nazistas. Desde então, Roosevelt e seus colegas se foram e a diplomacia atômica assumiu Lugar.

Mesmo assim, o que vi os americanos fazendo na Coréia me chocou nos calcanhares. Suponho que durante toda a minha vida tenho ouvido propaganda sobre a América ser uma nação civilizada e parte disso deve ter me ocorrido. De alguma forma, nunca pensei nos americanos fazendo exatamente o que os nazistas faziam até que vi com meus próprios olhos.

Ainda falamos de Coventry como um exemplo de bombardeio malicioso e fútil, mas os americanos foram muito à frente dos nazistas no que eles chamam educadamente de “bombardeio de saturação”. O estilo americano de fazer guerra na Coreia segue o mesmo padrão dos nazistas, mas, tendo em vista o tamanho do país, é ainda mais selvagem e igualmente estúpido.

Wonsan é uma cidade muito menor que Coventry, não tão grande quanto o subúrbio de Londres; de Walthamstow. Durante seu primeiro ataque pesado em julho, o B.29 Superfortresses jogou 500 toneladas de bombas de alto explosivo na cidade – sessenta toneladas a mais do que Coventry conseguiu naquela noite terrível de dez anos atrás. Nenhum alvo foi apontado. O comunicado de MacArthur admitiu que havia uma “nuvem pesada” que “impediu a avaliação do efeito do ataque”. Na verdade, a visibilidade era nula na época, pois estava chovendo muito. Em Coventry, houve 1.000 vítimas naquela noite. Durante o primeiro ataque a Wonsan, houve 1.249 mortos e a metade norte da cidade foi exterminada. Em agosto, o ataque foi repetido, destruindo a outra metade. Nenhum outro objetivo militar foi alegado além de que esta cidade era um centro ferroviário. Mil toneladas de bombas; uma cidade destruída; mais de 4, 000 vítimas ao todo; dezenas de milhares de desabrigados e enlutados — tudo para danificar uma linha férrea.

Isso faz sentido? Este é um bombardeio da maneira que nenhuma cidade britânica jamais conheceu. Eu vi Coventry e estive em Londres durante toda a blitz e vi Wonsan depois dessas invasões. Foi muito pior do que o pior que os nazistas já fizeram.

E quanto mais para o sul você vai, mais comum se torna esse tipo de obliteração total. Pyongtaek, Chochiwon, Taejon não mais. existem como cidades. Existem algumas casas destruídas por bombas de estilhaço na borda, e você pode ver claramente as casas destruídas na borda oposta também. As pessoas foram embora, mas ainda assim os americanos vêm na maioria dos dias e bombardeiam os escombros

Não é segredo que estradas e ferrovias passam por essas cidades e também não é segredo que esse tipo de bombardeio é o menos eficaz de todos para destruir esses objetivos militares.

Muito mais pode ser dito sobre seu fracasso em bombardeios e ataques militares quando a segurança militar não está envolvida – mas isso terá que esperar. Sua estratégia de base é do mesmo estilo. Já vi bombardeiros de combate hesitarem e circularem por dez ou quinze minutos antes de tentarem atacar um objetivo militar que era defendido por ack-ack leve e, em seguida, correrem desanimadamente sobre o alvo – alto demais para um bombardeio de mergulho eficaz para livrar-se de sua carga e depois voltar para casa, sem dúvida para discutir os perigos da guerra.

E eu os vi correr em um campo ou um trecho de estrada, disparando toda a munição de metralhadora e até foguetes de uma altura de não mais de 300 pés, quando não havia nada além de civis ou algumas cabanas e eu, caído em uma vala.

É necessária pura mentalidade nazista para matar uma mulher e uma criança a sangue frio, usando para esse fim alguns milhares de cavalos de força e um poder de fogo de mais de 100 balas de metralhadora por segundo. Eu vi isso acontecer. Ela era a única pessoa naquele trecho de estrada porque todos os outros caíram em valas quando o avião foi ouvido. Não foi um erro do piloto, porque com bons olhos, você pode distinguir uma mulher a uma milha ou mais de distância. Normalmente, este estava carregando um bebê amarrado às costas e uma grande trouxa na cabeça, e estava usando uma saia branca longa e esvoaçante. O piloto sabia que estava explodindo com uma mulher e uma criança, mas apenas casualmente abriu as armas e disparou.

As pessoas costumavam dizer: “Mas eu conheço alguns alemães. Pessoas legais. Onde eles encontrariam pessoas que fariam as coisas que os nazistas deveriam fazer? ” Pense bem. Eu conheço alguns americanos. Pessoas legais…

Descendo para Taejon, na Coreia do Sul, ouvi um relato de que um grande número de “prisioneiros políticos” havia sido massacrado perto de lá. Esse é um número maior do que os assassinados nas cidades entre Seul e aquela cidade. Alguns disseram 3.000. alguns disseram 4.000 e como costuma ser o caso na Coréia, os fatos eram piores do que boatos, pois naquela época a maioria dos coreanos não estava aclimatada à crueldade diabólica dos americanos e seus fantoches.

Vale da Morte de Rangwul

Image for post

Um dos poços menores é delineado pela silhueta. Observe a bobina de corda deixada pelos assassinos. À esquerda está Choi Tai Lyong, meu intérprete. Ele próprio foi um prisioneiro político em Seul – um dos poucos ainda vivos – salvo pelo Exército do Povo Norte Coreano.

Tente imaginar o vale Rangwul, cerca de cinco milhas a sudeste de Taejon, na estrada Yongdong. As colinas se erguem abruptamente de um piso nivelado com cerca de 100 metros de diâmetro e quatrocentos metros de comprimento. No meio, você pode caminhar com segurança, embora seus sapatos possam rolar em cartuchos americanos, mas nas laterais você deve ter cuidado, pois o resto do vale é uma fina crosta de terra cobrindo cadáveres de mais de 7.000 homens e mulheres. Alguém do grupo comigo passou quase até o quadril em tecido humano apodrecido. A cada poucos metros, há uma fissura na camada superior do solo, através da qual você pode ver uma massa de carne e osso que diminui gradualmente. O cheiro é algo sensivel que penetra na sua garganta. Depois de alguns dias, pude sentir o cheiro. Ao longo de todo o grande fosso da morte, mãos e pés cerosos e mortos. joelhos, cotovelos, rostos torcidos e cabeças abertas por balas, furar o solo. Quando li sobre os campos de assassinato nazistas em Belsen e Buchenwald, tentei imaginar como eram…

Agora eu sei que falhei.


Todos os seis fossos mortais têm quase dois metros de profundidade e de dois a três metros de largura. O maior tem 200 metros de comprimento, dois têm 100 metros e o menor trinta metros. Os camponeses locais foram forçados com rifles na cabeça para escavar os locais, e foi deles que obtive os fatos.

Nos dias 4, 5 e 6 de julho, todos os prisioneiros das prisões e campos de concentração ao redor de Taejon foram levados em caminhões para o vale — depois de serem amarrados com arame, inconscientes e embalados como sardinhas uns sobre os outros. Assim, caminhões carregados foram levados para o vale, baleados e jogados nos poços. Os camponeses foram obrigados a cobrir as seções das covas com solo.

Durante os dez dias seguintes, prisioneiros de outros lugares foram concentrados nas prisões vazias e os camponeses continuaram a cavar.

Em 16 de julho, o Exército do Povo destruiu a linha de defesa americana do Rio Kum e, na madrugada de 17 de julho, os americanos começaram a matança dos prisioneiros restantes.

Neste dia, trinta e sete cargas de caminhões de pelo menos 100 cada foram mortos — mais de 3.700, incluindo várias mulheres.

Oficiais americanos, com oficiais do exército fantoche, iam em jipes todos os dias e supervisionavam a carnificina. Todas as testemunhas concordam com isso e pedi a várias separadamente para me mostrarem onde estavam os jipes e os americanos. Havia maços de cigarros americanos vazios espalhados. Todas as mil caixas de cartuchos existentes no local foram feitas na América. Peguei um punhado de caixas de MI e cartuchos de carabina que ainda tenho.

Este foi apenas um dos massacres realizados por instruções americanas. Cada cidade, até mesmo cada aldeia, tem seus democratas assassinados e de luto. A estimativa mais baixa coloca o número de presos políticos mortos em 200.000, desde 25 de junho, mas o número pode chegar a 400.000. Tive tempo para investigar apenas alguns casos, mas posso garantir a exatidão do seguinte registro:

Inchon: 1.800 assassinados entre 29 de junho e 3 de julho. Suwon: cerca de 1.200 massacrados. Eram prisioneiros em duas filiais da famosa prisão de West Gate. Quando eu estava em Suwon, apenas 260 dos corpos foram encontrados, escondidos em cavernas ao redor da cidade, e as buscas ainda estavam em andamento. Visitei cavernas. Pyongtaek: um município muito pequeno, 130 assassinados. Chochiwon: mais ou menos do mesmo tamanho, 156 assassinados.

Em Suwon, que era o quartel-general dos americanos e de Syngman Rhee após a queda de Seul, conheci Hong Kung Un, um membro do Comitê do Povo de Suwon, que pegou um rifle abandonado na noite em que os americanos se retiraram e correram para a delegacia local. era tarde demais. Os prisioneiros que ele tentava salvar foram levados para uma cela e metralhados. Quando Hong Kung Un chegou lá, apenas três dos trinta e oito ainda eram capazes de falar um pouco. Agora apenas dois estão vivos. Eu vi a cela, madeira lascada e sangue incrustado.

John J. Muccio, o embaixador americano, e conselheiros americanos estavam na cidade quando a ordem para esse crime foi dada.

A esta altura, todos devem ter visto fotos desses horrores e lido o memorando “confidencial” capturado, cujo original eu vi, escrito há 18 meses, quando não havia guerra, descrevendo como oficiais dos Estados Unidos dirigiram o fuzilamento de 69 coreanos patriotas, cada um com um pente de munição de serviço. Em Rangwul, eles atiraram em 7.000, e os corpos que vi tinham apenas uma bala cada e foram para a cova, vivos ou mortos.

Mas nos campos de batalha, onde os coreanos não são amarrados com arame ou deixados inconscientes, as forças americanas recuaram até que não puderam recuar mais. Conversei com muitos prisioneiros americanos e nunca encontrei um que tentasse defender as ações do governo americano ou que soubesse o que supostamente estava lutando. Em nenhuma ocasião um soldado americano me perguntou se eu tinha o direito de fazer perguntas a ele.

Os guardas coreanos olharam para eles com perplexidade — quase pena — que os adultos pudessem entender tão pouco dos fatos da vida ou mostrar tão pouco espírito.

Os prisioneiros mais inteligentes só precisavam estar na Coreia libertada alguns dias para ver a verdade que havia sido escondida deles pela Rádio das Forças Armadas e pelas histórias em quadrinhos.

RANGWUL DEATH VALLEY

Image for post
Um pé surge acima do solo — visão típica do vale.
Image for post
Um braço e o osso do outro, amarrados.
Image for post
Vítimas expostas por afundamento da massa de corpos abaixo.
Image for post
Pilha de corpos dos opositores politicos do fantoche dos americanos, o ditador sul-coreano syngman rhee

Conversa com os prisioneiros americanos

Aqui está o Major Charles T. Barter, 63º Batalhão de Artilharia de Campanha, de Mount Vernon, Indiana, com dezenove anos de serviço no Exército dos EUA: “Decidi quando fui capturado não ouvir nada que essas pessoas me contassem. Mas você não precisa dizer, você pode ver por si mesmo. Eu vi isso o tempo todo e estou com pena do que nosso povo está fazendo. Os sul-coreanos querem ir com o Norte e quanto mais para o sul o Exército do Povo Coreano for, mais gente eles conseguirão. Nenhum homem ou mulher apóia Rhee. ”

Aqui está o soldado Reuben K. Kimball Junior, de Baytown, Texas, falando sobre atividades que ele descreveu como “a força aérea do Tio Sam”. “Você viu o que os desgraçados estão fazendo? Você já viu aldeias a quilômetros de algo parecido com um objetivo militar — plano como um campo?

“Você já os viu atirando em camponeses que trabalhavam nos campos e destruindo pequenas cabanas que não eram grandes o suficiente para conter uma vaca?” Kimball quase foi morto várias vezes por aviões militares americanos enquanto marchava sob guarda para Seul. Ele disse: “Um piloto me disse lá atrás, as ordens deles eram ‘Qualquer coisa que estiver se movendo — pare! Qualquer coisa que parou — mova-se! ‘ Eu pensei que ele estava enganando então. Acho que não agora. Ao passar, vi nove camponeses mortos em um campo onde estavam trabalhando e mais três em outro. Eu acho que a Força Aérea é apenas um gatilho feliz. Que tipo de guerra é essa em que você deixa alvos militares em paz e sai por aí bombardeando várias aldeias e atirando em camponeses? ”

Aqui está o segundo-tenente AH Brooks, da 24ª Divisão, em um discurso transmitido: “Se não tivéssemos interferido na Guerra Civil Coreana, tudo estaria acabado e a Coréia mais uma vez estaria unida. Isso é o que a maioria das pessoas deseja. Os sul-coreanos não apoiaram o exército de Syngman Rhee. ”

Eles não sabem por que estão lutando

Perguntei a todos os prisioneiros que conheci: “Por que você está lutando na Coreia?” Ninguém poderia dar uma resposta clara. A maioria disse: “Não sei”. Alguns disseram: “Tem alguma coisa a ver com as Nações Unidas, eles nos disseram”.

Alguns tinham ouvido falar de Rhee. Ninguém sabia de Kim il sung. Com uma ou duas exceções, os soldados rasos — quase todos adolescentes — disseram que haviam se juntado ao exército para “ver o mundo”, “sair do recrutamento” ou “economizar algum dinheiro”. Sua visão geral da guerra da Coréia foi resumida por Edward Sorea, um soldado raso de San Bernardino, Califórnia, de dezenove anos. Ele disse: “Eu só queria viajar. Era uma época de paz. Quem diabos pensou que haveria uma guerra?

Você não consegue encontrar um soldado americano preocupado se a América vai ganhar a guerra ou não — ao invés disso, você encontra muitos que querem que os coreanos ganhem rapidamente para que possam “voltar para casa”. “Ganhe ou perca”, eles dizem, “o povo americano não tem nada a ganhar”. Soldados como esses fazem maus lutadores, quão ruim pode ser visto tomando uma viagem pela estrada principal de Kumchon, perto do 38 º paralelo, a Yongdong, perto de Taegu, no Sul.

Contagem de tanques, caminhões, jipes, armas e outros equipamentos militares destruídos. Tudo de bom, tudo feito nos Estados Unidos e, de Seul ao sul, principalmente operado por americanos. Tente encontrar um pouco de equipamento voltado para o inimigo. Tudo aponta para o sul — até tanques — com seus canhões girando para disparar para o norte.

Kimball, o prisioneiro mencionado anteriormente, não mediu as palavras. “Uma coisa de que sempre tivemos medo foi sermos cortados”, disse ele.

“A Coréia nada mais é que montanhas, então que chance você tem nas estradas? Ficamos olhando por cima dos ombros o tempo todo, prontos para sair correndo se ouvíssemos um tiro atrás de nós. Esses coreanos parecem pular do chão atrás de você. ” Ele estava convencido de que os coreanos ganhariam a guerra. “Agora estamos de volta onde não podemos recuar”, disse. “Então, suponha que nós encenemos um retorno. Cada quilômetro que ganhamos, apenas aumentamos nossos problemas. Não podemos usar as montanhas, apenas as estradas. Os coreanos podem atravessar as montanhas — com seu equipamento — nos isolar e nos separar. Não há esperança.”

Este jovem americano extraordinariamente observador está certo. Eu vi o que as tropas americanas — e agora britânicas — estão enfrentando e “sem esperança” é a palavra. Todo o bombardeio e estrangulamento e todo o equipamento não podem conquistar o povo coreano mais do que eles poderiam conquistar os chineses.

Desde o início da guerra, os americanos bombardeiam e metralham à vontade. Olhe um mapa da Coreia e veja como poucas rotas são mostradas para o sul. No entanto, enquanto escrevo, o Exército do Povo Coreano está desdobrando uma ofensiva massiva com equipamentos e o peso terrível de artilharia e morteiros. Todas essas coisas, exceto os homens, tinham que ser obtidas lá — e foram obtidas lá — com a ajuda do povo.

Todas as noites, o interior da Coreia, especialmente no Sul, ferve de vida. Centenas de milhares de camponeses e moradores da cidade convergem nas estradas e, em questão de horas, repararam os estragos da bomba do dia anterior com o peso absoluto de trabalho humano voluntário e ilimitado. Enquanto isso, centenas de milhares de outras pessoas estão retomando sua jornada para o sul, de onde pararam ao amanhecer; gerenciar incontáveis ​​carros de boi em caminhos remotos; carregando cargas de comida e munições nas costas. Todos esses trabalhadores de reconstrução e transporte são voluntários, não remunerados, provendo seus próprios alimentos e materiais, com sua própria milícia para protegê-los das tropas inimigas perdidas, autossustentáveis, familiarizados com o terreno e determinados a pôr fim à ocupação estrangeira de seu país .

As pessoas desafiam os bombardeiros

Os aviões são impotentes para interromper essa massa de atividade que se espalha por todo o país.

A supremacia aérea americana foi desmentida pelo povo. Enquanto Truman fala de democracia e bombardeia o povo, o povo está votando com as mãos e pés e espadas, até o último homem e mulher, para não ter mais americanos no país.

Os prisioneiros americanos, que se deslocam para o norte à noite para se protegerem de seus próprios aviões, viram um pouco disso. É por isso que Kimball diz: “Só podemos usar estradas. . . é impossível. ” É por isso que o Major Barter disse: “Quanto mais para o sul o Exército do Povo Coreano vai, mais gente eles vão conseguir.”

A impressão de que todo o povo está por trás do esforço de guerra não é falsa, e isso se aplica igualmente ao sul e ao norte. Nos lugares onde verifiquei os números, descobri que praticamente todos os homens disponíveis e muitas das mulheres haviam participado de um ou outro lado do Serviço de Guerra Civil. Abaixo do Paralelo, no condado de Koyang, perto de Seul. em doze dias 54.085 homens se ofereceram de uma população total de apenas 180.000. Durante o avanço do Exército do Povo nesta área, o Comitê do Povo local mobilizou 1.000 carros de boi em uma única noite para uma emergência de transporte. Pessoalmente, nunca conheci um camponês — exceto velho e enfermo — que não tivesse ajudado o exército popular de alguma forma.

 E nas cidades, todas as noites você pode ver os trabalhadores da reconstrução se reunindo aos milhares com pás, pés de cabra e cordas. Pelo menos metade deles são mulheres,

Image for post
Image for post
O Povo Coreano festejando a retomada de seul pelo exercito popular de Kim il sung.
Image for post

Os coreanos não são ‘soldados da Coca-Cola’

Tudo o que os americanos fizeram nesta guerra parece ter tido o efeito inverso ao pretendido. A Coréia não é um país fortemente industrializado e o bombardeio de saturação tem relativamente pouco efeito sobre a produção. Mas a terrível destruição de casas e vidas que a acompanhou deixou toda a nação furiosa. Até ex-apologistas da América são agora seus maiores inimigos.

Nas estradas, você pode encontrar centenas de homens que lhe dizem: “Minha casa foi bombardeada. . . então eu mandei minha esposa e filhos para se encontrar com parentes no país e eu sou voluntário. ” Em Wonsan, a esposa e os filhos de um trabalhador, Wan Wun Chu, foram mortos em uma invasão enquanto ele trabalhava. “Eles estão mortos e não posso chamá-los de volta”, disse ele. “Se eu morrer, é pouco agora. Mas eu daria minha última gota de sangue para me vingar e expulsar aqueles cães assassinos de nosso país. Eles me dizem que meu lugar é na produção e vou trabalhar meus dedos até os ossos para produzir mais para o exército popular. ”

Todos os vilarejos que visitei me disseram com orgulho não apenas quantos homens haviam ido para o exército, mas também quantos voluntários esperavam para serem aceitos. Não faltam homens de combate da melhor qualidade; homens que foram criados nas incontáveis ​​milhares de montanhas que cobrem a Coréia; voluntários que sabem por que querem vencer. Não há um único recruta no Exército Popular em qualquer nível. A maioria dos oficiais recebeu o treinamento da maneira mais difícil, lutando como guerrilheiros contra os japoneses antes de 1945. Esses não são soldados da Coca-Cola. Eles significam negócios e podem “lutar com pouco dinheiro”. como me disse um triste prisioneiro americano. Eles estão bem equipados para lutar em regiões montanhosas e não tentam carregar chicletes, comprimidos de vitaminas, chocolate e mudas de roupa íntima como os americanos fazem.

Além disso, eles sabem que todo civil coreano é seu aliado, que lhes dará ajuda e informações enquanto as nega ao invasor estrangeiro.

Uma marcha forçada de trinta e cinco quilômetros sobre as montanhas, com batalha no final, não é uma dificuldade especial para esses jovens resistentes, e a habilidade na camuflagem é vista com medo e ódio pelos americanos. Os prisioneiros falam com temor de dirigir por vales “vazios” apenas para descobrir que atrás deles, onde parecia quase não haver cobertura, centenas de homens começam a atirar e arremessar bombas de morteiro com uma precisão mortal. Seu uniforme foi projetado para combinar perfeitamente com o campo verde e marrom.

Os apologistas americanos estão gastando as unhas no fundo do barril, tentando encontrar uma razão aceitável — contanto que não seja real — para os brilhantes sucessos deste pequeno país agrícola contra as forças armadas desta potência altamente industrializada.

Canetas sincronizadas escrevem: “Milagre que não pode durar”, “Despreparo”, “Incrível”, “Pobre equipamento dos EUA”, “Deixado para baixo pelos coreanos” e o resto.

Norte do Paralexlo 38

Mas não há mistério nisso. Venha comigo em uma pesquisa rápida do que aconteceu ao norte e ao sul do Paralelo 38 desde que o Exército Soviético expulsou os japoneses da Coréia.

Ao norte do Paralelo 38, sob ocupação soviética, o povo elegeu Comitês Populares e seu próprio Governo, chefiados por Kim il sung, ex-líder da guerrilha contra os japoneses. Depois de repetidas tentativas malsucedidas da URSS para provocar uma retirada simultânea das forças de ocupação americanas e soviéticas, somente as tropas soviéticas foram retiradas em 1948.

A reforma agrária foi realizada e hoje o solo fértil pertence a quem o trabalha. Eles não pagam aluguel, apenas um único imposto sobre suas colheitas, que varia de acordo com a qualidade da terra.

Todas as indústrias japonesas e de propriedade dos traidores foram nacionalizadas, novas indústrias desenvolvidas, preços estabilizados, dinheiro reformado e salários aumentados. A produtividade do trabalho em 1950 era três vezes maior do que em 1946. O número de trabalhadores industriais aumentou em um quarto.

Os trabalhadores na Coreia do Norte têm os seguintes benefícios de direito: salário igual para trabalho igual para mulheres; férias remuneradas; compra de bens essenciais a preços inferiores aos do Livre mercado; trabalho seguro e controle dos trabalhadores sobre as medidas de segurança; tratamento médico gratuito.

As lojas estão repletas de produtos baratos feitos na Coréia, incluindo cerveja e cosméticos de boa qualidade.

Sindicatos, partidos políticos, organizações de mulheres e jovens têm plena liberdade para se desenvolver. O direito à liberdade de expressão e de imprensa está garantido.

Escolas foram estabelecidas, novas universidades foram abertas e quase todos agora podem ler e escrever.

O povo da Coreia do Norte está defendendo essa liberdade e essa prosperidade. Os operários das fábricas aumentaram sua produção desde o início da guerra, às vezes em mais 30 por cento, e, além disso, são voluntários para o trabalho noturno no serviço civil de guerra.

Como foi ao sul do Paralelo?

As autoridades de ocupação americanas baniram os Comitês do Povo eleitos que encontraram no Sul em sua chegada e estabeleceram o governo de Syngman Rhee um coreano treinado pelos americanos.

Do nível do batalhão para cima, os oficiais americanos (“conselheiros”) comandavam o exército fantoche e ainda comandam o que resta dele.

Ao cruzar a fronteira para o Sul, você pode ver que as pessoas são mais magras e miseráveis. As lojas estão vazias de tudo, exceto produtos agrícolas muito caros e produtos americanos, a preços fora do alcance da maioria dos sul-coreanos.

Grandes carros americanos — agora colocados em serviço de guerra — estão por toda parte. Os acumuladores recomendam que você compre Coca-Cola — o sinal inevitável da marshallização. As garotas do glamour alertam sobre os perigos do BO e incitam nas massas ainda analfabetas o prazer de escrever com esta ou aquela caneta.

Cruzando o rio Han e virando à direita para Inchon, você dirige ao longo de uma estrada que atravessa uma área que costumava conter 70% da indústria sul-coreana. Todas as fábricas estão fechadas — ou melhor, abertas — sem janelas, telhados e máquinas, embora nenhuma tenha sido bombardeada. Produtos americanos, injetados no país como parte da barganha para manter o “governo” de Syngman Rhee reforçado, destruíram a indústria sul-coreana. Um milhão e meio de trabalhadores ficaram desempregados em menos de cinco anos.

É por isso que um general americano poderia dizer à imprensa estrangeira em 5 de junho, “na Coréia, o contribuinte americano tem um exército que é um ótimo cão de guarda dos investimentos feitos neste país”. Para “contribuintes”, leia “monopólios”.

No interior da Coreia do Sul. os camponeses viviam com uma ínfima fração da safra que cultivavam e o resto ia em aluguel e impostos.

Uma família que aluga meio hectare (1 ¼ acres) de terra pode cultivar uma safra avaliada em vinte e quatro sacas de arroz em um ano bom. Desse total, uma média de quatorze sacas eram para aluguel e pelo menos três para impostos, deixando sete para viver. Um saco de arroz pesa cerca de 150 libras. Um trabalhador rural receberia quatro sacos de arroz por ano como salário.

Não admira que os olhos das pessoas se voltassem com saudade para o Norte, onde sabiam que a vida estava cada vez melhor! Não admira que tenham respondido ao apelo do Norte para a unidade nacional, eleições e o fim da ocupação americana! Não é à toa que, mesmo nas eleições policiais de maio passado, o partido de Rhee conquistou apenas 22 cadeiras de 209, embora ele tenha prendido 22 candidatos da oposição e enchido suas prisões e campos de concentração com pessoas que mostravam sinais de desacordo com o regime, pessoas que agora foram assassinadas.

Foi porque Rhee falhou, porque toda a estrutura podre estava desmoronando sob ele e os americanos que o exército de fantoches dirigido pelos americanos foi ordenado a invadir o norte do Paralelo 38 em 25 de junho. A conquista do Norte resolveria muitos problemas. A oposição poderia ser cauterizada nas chamas da guerra — os exemplos brilhantes de democracia popular no Norte poderiam ser extintos e os produtos coreanos poderiam ser substituídos por Coca-Cola e desodorantes.

Quem começou esta guerra?

Não se engane sobre quem começou esta guerra!

Ao norte do Paralelo 38 em Chu Yang e Yongchuli, vi as marcas das batalhas que ocorreram quando o exército de fantoches, com seus oficiais americanos, penetrou no território norte-coreano antes de serem detonados. Há buracos de granadas, terra marcada, casas queimadas e relatos de testemunhas oculares de camponeses locais que viram e ouviram o ataque vindo do sul. Eu vi os mapas militares capturados, impressos nos EUA, com suas marcações para táticas de invasão ao Norte do Paralelo. Eu vi o dinheiro norte-coreano falsificado empilhado em vários pontos ao longo da fronteira para a invasão econômica que seguiria o exército fantoche. Abaixo do Paralelo, falei com os aldeões que falam de movimentos massivos de tropas em direção ao Paralelo, pouco antes de 25 de junho.

Certamente os líderes do Norte não estavam dormindo. Rhee vinha ameaçando enviar uma “expedição do Norte” há muito tempo e é dever dos líderes do povo estarem vigilantes. Quando o Sul semeou o vento, eles colheram um tufão.

Se a questão tivesse sido deixada para o povo coreano, teria acabado rapidamente, apesar da vasta quantidade de armas apresentadas aos fantoches pelos EUA

Ouça desta vez o Major LR Dunham, de New Hampshire, ex-integrante da 24ª Divisão, há nove anos no Exército dos EUA: “A população civil nos odeia e está pronta para ir com o Norte. Se os tivéssemos deixado em paz, tudo estaria acabado em dez dias e provavelmente algumas pessoas na América teriam perdido muito dinheiro. Ganhando ou perdendo, o povo americano não terá nada a ganhar com esta guerra. E esse bombardeio deve estar fazendo com que todos no Oriente nos odeiem. ”

Esta é a opinião de um americano que acaba de abrir os olhos ao ver os fatos pela primeira vez. Alguns financiadores americanos perderiam muito dinheiro, mas a maioria dos americanos não tem interesse na guerra da Coréia. É uma guerra sendo conduzida às custas dos contribuintes americanos e britânicos à custa de milhares de vidas coreanas, americanas e britânicas, para salvaguardar os investimentos dos interesses comerciais americanos para agirem como 2; ameaça aos povos do Extremo Oriente e tentar preservar na Coréia, uma base militar americana do Extremo Oriente — uma guerra imperialista aberta.

Veja os fatos divorciados da propaganda dos senhores da imprensa, da voz untuosa da boba da BBC e da belicosa Voz da América.

Menos de uma semana antes do início da guerra, John Foster Dulles visitou o 38º Paralelo, onde seis divisões das tropas de Syngman Rhee estavam concentradas.

Na madrugada do domingo, 25 de junho, o Exército sul-coreano — americano treinado, equipado e com oficiais americanos como conselheiros até o nível de batalhão — cruzou o Paralelo em três pontos após uma preparação de artilharia de dois dias.

Por volta das três horas da tarde, o Exército do Povo Norte-Coreano os empurrou para trás e estava indo para a ofensiva. A máquina americana construída ao longo de cinco anos pelos americanos desintegrou-se sob os golpes do Exército do Povo em poucos dias, um sinal claro da corrupção e da podridão de todo o regime.

Como focas treinadas, o órgão inteiramente ilegal que se autodenomina Comissão das Nações Unidas na Coréia havia enviado à América naquela tarde de domingo um documento supostamente para provar que os norte-coreanos haviam iniciado o ataque. Suas evidências consistiam apenas em uma declaração feita pelo governo sul-coreano e pelo Syngman Rhee.

Ao meio-dia do dia seguinte, Truman estava fazendo um discurso que deve ter ficado em sua gaveta por alguns dias, enviando aviões, navios e tropas americanos para socorrer sua marionete quebrada, intervindo nos assuntos chineses bloqueando Taiwan (Formosa), fazendo ameaças como folhetos em todo o Extremo Oriente.

Na mesma tarde, o traseiro do Conselho de Segurança, arrastado às pressas junto pelos americanos e agindo ilegalmente na ausência dos russos e dos chineses. endossou as ações já empreendidas por Truman e, sem fazer qualquer investigação sobre os fatos, cravou a bandeira das Nações Unidas no exército imperialista americano.

Ao mesmo tempo, Syngman Rhee fugiu de sua capital, seus cidadãos se reunindo aos milhares com guirlandas e bandeiras para dar as boas-vindas ao avanço do Exército do Povo, e os americanos assumiram abertamente a guerra contra os coreanos.

Sem guerra de ‘botão’

Foi um golpe mortal para a política americana básica de que eles forneçam as máquinas militares e seus satélites façam o combate. Eu acredito que isso é o que é chamado de guerra de “botão”. Eles apertam o botão e outras pessoas lutam. Agora eles estão tendo que lutar. Mas eles já conseguiram fazer com que Attlee enviasse dois batalhões de tropas britânicas e, se a guerra continuar por tempo suficiente, sem dúvida eles conseguirão mais, britânicos e outros, para tentar tirar as castanhas de Wall Street do fogo. Mas quanto mais britânicos vão para a Coreia, mais britânicos morrerão ou encontrarão seu caminho para os campos de prisioneiros de guerra lá.

A Coréia repudiou Syngman Rhee e os americanos. Todo o povo coreano quer que a Coréia se reúna e governe os coreanos. Nenhum regime que tenha sido repudiado pelo povo pode existir e esta guerra só pode ser vencida pelos coreanos, assim como a guerra na China só poderia ser vencida pelo povo. Este é um dos fatos férreos do século XX.

Na China, o padrão era o mesmo; A América apoiou os inimigos mais corruptos e odiados do povo, liderados por Chiang Kai-shek, apoiou-os com mais de ‘$ 6 bilhões, enviou-lhes ajuda militar e conselheiros — e produziu seu grande fiasco. A Grã-Bretanha manteve seu nariz fora disso.

Agora os americanos estão tentando recuperar a posição perdida. Primeiro pela intervenção aberta na Coréia e agora tentando expandir a área da guerra com invasões aéreas provocativas do continente chinês, após a invasão de Taiwan. Só agora eles conseguiram arrastar dois batalhões de tropas britânicas “simbólicas” para sua aventura na Coréia.

Para onde tudo isso está levando?

Onde isso vai acabar? Esses são “Sinais” para divisões ou exércitos? “Sinais” de que a Grã-Bretanha pretende seguir todo o caminho agora atrás da política suicida da América no Extremo Oriente? Eles certamente são símbolos da submissão da Grã-Bretanha às ordens americanas.

O povo britânico não deve se enganar sobre as implicações desta guerra que é contra um país tão pequeno e tão distante.

É impossível para qualquer invasor derrotar o povo coreano. Eles podem ser bombardeados, metralhados e descascados, mas não se submeterão, não podem se submeter, porque a morte é preferível ao tipo de vida que levavam sob a camarilha de Syngman Rhee.

Novas e massivas forças foram libertadas pela própria guerra, forças com as quais os americanos nunca contaram, e a prova disso está no fato de que, apesar de todo o manto de bombardeiros, os americanos não conseguiram impedir que uma arma, um tanque ou um morteiro chegassem ao extremo sul.

A Coréia é um belo país onde quase nunca fica fora do alcance de cinquenta ou mais picos de montanhas. Um belo país se você for um amigo e uma emboscada vasta e contínua se você for um inimigo. E hoje todo coreano é inimigo de todo invasor.

Se a luta se intensificar na Coréia, quanto mais a guerra durar, quanto mais fortemente a Grã-Bretanha se envolver como cúmplice da América na Coréia, mais certamente a Grã-Bretanha se comprometerá com todos os outros esquemas de cão louco que estão sendo planejados em Washington, e mais mortal torna-se o perigo da guerra mundial.

Mais uma vez, o povo britânico detém a chave para a paz mundial. A chave que eles jogaram fora em Munique em 1939.

Agora, alguns Herrenvolk belicosos estão tentando dominar a Terra com aviões de bombardeio, campos de assassinato e fazendo sua juventude em assassinos sádicos.

A Coreia clama por tudo o que é saudável no mundo como o novo Guernica. A Coreia é a Espanha na qual os nazistas de Wall Street estão testando suas armas e a capacidade do povo comum de prevenir agressões.

A chave é a Grã-Bretanha e a hora é agora. É por isso que os magnatas de Wall Street exerceram uma pressão gigantesca para arrastar nosso povo para o banho de sangue que prepararam por cinco anos na Coréia, e é por isso que, assim que o lacaio Attlee prometeu eles seu “símbolo”, do que enviaram seus aviões para a China espalhar a zona da guerra.

Foi a América que invadiu a Coréia. Para defender os interesses de Morgan e Rockefeller, de Dupont e dos barões do aço, para devolver as terras aos proprietários feudais, para levar o povo de volta à penúria, para manter uma base de guerra contra a pacífica União Soviética.

Os rapazes britânicos devem ser sacrificados a esses objetivos ignóbeis? A Grã-Bretanha se tornará lacaio de uma América que aspira ao papel de Hitler — detonadores conjuntos de uma nova guerra mundial?

Os sindicatos britânicos, ramos do Partido Trabalhista, organizações progressistas e pessoas de todos os tipos podem e devem dar a resposta rapidamente:

“Retire todos os soldados estrangeiros da Coreia!”


Tradução por Rafael Pardan, KPR – Kpop pela Reunificação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *