Brasil

70 anos da vitória do povo coreano marcado no Brasil

Rio de Janeiro, 23 de julho (KFA-BR) — Teve lugar nesse dia 21 em um auditório da sede do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Rio de Janeiro (CREA-RJ), localizado no centro da cidade, um evento conjunto organizado e realizado pelo Centro de Estudos da Política – Songun (CEPS-BR) e a Associação de Amizade com a Coreia – Brasil (KFA-BR) com a ilustre participação do embaixador extraordinário e plenipotenciário da República Popular Democrática no Brasil, Sr. Kim Chol Hak, e do secretário da embaixada, Sr. Kim Jong Chol, para marcar 70º aniversário do grande triunfo logrado pelo povo coreano na passada guerra da Coreia.

A mesa do evento foi ocupada por Lucas Rubio, presidente do CEPS-BR; Emanuel Tejerina, delegado oficial da KFA no Brasil; e pelos Srs. Kim Chol Hak e Kim Jong Chol.

O evento também contou com a presença de diversas organizações políticas de massas como a União de Juventude Comunista (UJC), a União de Juventude Revolução (UJR), a Juventude Socialista (JS), o Partido Comunista Brasileiro (PCB), a União Popular pelo Socialismo (UP) etc., que contribuíram, além de comparecer em grande número, divulgando-o para o máximo de pessoas.

Antes do início das intervenções, os presentes escutaram a famosa canção “Nosso 27 de julho” acompanhado de um clipe que exibia cenas da heroica luta travada pelo povo coreano para deter a bárbara guerra provocada pelos estadunidenses em seu frustrado intento de tomar toda a Península Coreana para si e convertê-la em um trampolim para expandir seu domínio e agredir a Rússia e China socialistas.

Presidindo o evento, Lucas Rubio deu início ao mesmo fazendo uma breve introdução sobre a efeméride marcada e sobre os participantes, deu seus sinceros agradecimentos a todos os presentes e que contribuíram para que pudesse ser realizado e passou a palavra para o sr. embaixador, que discursou em coreano seguido pela tradução feita pelo sr. secretário, onde, antes de tudo, fez elogios ao hercúleo esforço e frutuoso trabalho de solidariedade e estudos sobre a Coreia promovido entusiasticamente por Lucas no Brasil, indo contra todo tipo de tentativa suja e desonesta da mídia servil aos interesses capitalistas e imperialistas de manchá-lo, e prosseguiu a falar sobre o importante significado da vitória na Guerra de Libertação da Pátria, conquistada a duras penas pelo povo coreano e como ainda hoje, apesar de terem se passado 70 anos desde a assinatura do armistício, persistem e se agravam mais do que nunca os sinistros intentos imperialistas dos EUA de se apossar da Península Coreana e destruir a experiência socialista que continua obstinadamente o caminho escolhido por si mesmo constituindo um soberano baluarte de independência que alenta os povos que anseiam por sua libertação.

Após a fala do embaixador, Emanuel Tejerina falou sobre o contexto que se desenrolava antes do irreversível estouro da guerra de 25 de junho de 1950, a sistemática e brutal perseguição engendrada pelo poder ultra-conservador e reacionário implantado no Sul pelos EUA sob a chefia do fantoche Syngman Rhee e oficializada na infame Lei de Segurança Nacional que persiste até hoje e dos bárbaros massacres perpetrados sob seu amparo contra a população civil como o de Jeju e outros.

Retomando a palavra, Lucas Rubio deu leitura a uma mensagem gentilmente enviada pelo estimado Dr. Dermot Hudson, delegado oficial da KFA no Reino Unido e presidente de outras organizações de estudo e solidariedade com a Coreia no país, onde discorreu sobre o triunfo logrado pelo povo coreano graças à extraordinária liderança militar do Marechal Kim Il Sung, forjada nas chamas da luta armada anti-japonesa, e da inquebrantável união formada por todo o povo em torno dele.

Em seguida, fazendo síntese das intervenções realizadas, conectou a brilhante vitória do povo coreano aos dias de hoje e a luta dos povos por independência e assinalou enfaticamente o fato de que o verdadeiro ameaçador da paz no mundo não é o pequeno país situado no leste asiático que nunca invadiu ou jogou bombas atômicas sobre ninguém e quer apenas viver em paz seguindo o caminho de soberania e independência que escolheu, mas precisamente os situados no risivelmente chamado “mundo livre”, isto é, as potência ocidentais que violaram cruelmente o território e independência de diversos povos ao longo dos tempos e, hoje também, seguem expandindo seu domínio sobre o mundo, em especial os EUA, que tenta se apossar do planeta como seu dono e investe fortunas astronômicas em seu exército, faz testes, exercícios e implanta bases militares que ameaçam a segurança dos outros a torto e a direito e passam ilesos. Após isso, foi aberta uma sessão de perguntas feitas pelos presentes, onde se perguntou sobre temas como questão energética, desenvolvimento aeroespacial etc.

Na sequência, foram exibidas uma série de fotos históricas e inéditas da intrépida luta dos coreanos na guerra do fuzil contra a bomba atômica que veio a culminar, em 27 de julho de 1953, na vergonhosa assinatura do armistício que os estadunidenses fazem de tudo para esquecer.

Ao fim do evento, foi feito um sorteio promovido pelo prestigiado professor João Cláudio Pitillo de uma placa de Pyongyang.

Encerrando, Lucas Rubio voltou a agradecer a presença de todas as mais de 150 pessoas que prestigiaram o sr. embaixador e seu secretário aprendendo e recordando com grande atenção a vitória do povo coreano que ficará cujos ecos ecoarão de século em século.

Fotos: Felipe Matos

Leia também a ata publicada pelo CEPS-BR:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *