REVELADO: Os relatórios que foram censurados sobre a guerra biológica dos EUA na Coreia do Norte durante a Guerra da Coreia

Escrito por um dos mais prestigiados cientistas britânicos do nosso tempo, esse relatório oficial contém centenas de páginas de evidências sobre o uso de armas biológicas estadunidenses durante a guerra da Coreia, que foram censuradas na sua publicação oficial em 1952.

Cortesia do pesquisador Jeffrey Kaye, a INSURGE agora publica o relatório em um modelo que palavras chaves podem ser pesquisadas pela primeira vez ao público geral, com uma análise exclusiva e profunda de suas descobertas implicações contundentes.

O relatório fornece evidências convincentes de violação sistemática das leis de guerra contra a RPDC por meio do uso de armas biológicas — um contexto crítico que é essencial para qualquer pessoa entender a dinâmica das tensões regionais atuais e o que pode ser feito a respeito.

Relatorio Completo

Lá pela década de 1950, os EUA conduziram uma furiosa campanha de bombardeios durante a guerra da Coreia, jogando milhares de toneladas de artilharia, principalmente napalm, na República Popular Democrática da Coreia. O bombardeio, o pior que qualquer país já havia recebido na história, tirando Hiroshima e Nagasaki, tirou do mapa quase todas as cidades do país, que matou mais de um milhão de civis. Por causa dos bombardeios contínuos, o povo coreano foi forçado a viver em túneis. Até o normalmente belicoso general MacArthur afirmou ter achado a devastação causada pelos EUA ser repugnante.

Tanto China como a RPDC alegaram que no início do ano de 1952 os EUA estavam usando armas biológicas contra ambos os países. O governo estadunidense, obviamente, negou tais acusações.

Contudo, pilotos americanos que foram capturados pelos coreanos e chineses confirmaram o uso de tais armas. Mais tarde, depois que os prisioneiros retornaram para a custódia dos EUA, experts em contra inteligência e psiquiatria interrogaram esses pilotos. Eles foram induzidos a negarem todas as afirmações sob pena de corte marcial. E assim fizeram.

O oficial da Divisão de Investigação Criminal do Exército encarregado de interrogar os prisioneiros que retornavam, incluindo aviadores que confessaram o uso de armamento biológico na RPDC e na China, era o especialista em contra inteligência do Exército, coronel Boris Pash. Pash já havia sido encarregado da segurança das operações confidenciais mais secretas do governo dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. Ele estava encarregado da segurança do Laboratório de Radiação de Berkeley do Projeto Manhattan. (O Projeto Manhattan foi o programa intensivo dos EUA para desenvolver a bomba atômica.)

Imediatamente após a guerra, o oficial de inteligência militar Pash liderou a Missão Alsos, que pesquisou cientistas nucleares nazistas e italianos e materiais fissionáveis, bem como reuniu “inteligência sobre qualquer pesquisa científica inimiga aplicável ao seu esforço militar”, incluindo biológica e armas químicas. Mais tarde, Pash trabalhou para a CIA e, na década de 1970, foi chamado perante investigadores do Congresso a respeito de sua suposta participação nos assassinatos da Agência.

Para convencer o mundo da verdade de sua afirmação, de que os EUA lançaram armas biológicas em seus países e após rejeitar a sugestão de que a Cruz Vermelha Internacional investigasse as acusações, os coreanos e chineses patrocinaram uma comissão de investigação. Usando os auspícios do Conselho Mundial da Paz, eles reuniram vários cientistas de todo o mundo, a maioria dos quais simpatizantes da esquerda ou do movimento pela paz. O mais surpreendente é que essa comissão, que veio a ser conhecida como Comissão Científica Internacional, ou ISC, era chefiada por um dos mais importantes cientistas britânicos de sua época, Joseph Needham.

O ISC incluiu cientistas de vários países, incluindo Suécia, França, Itália e Brasil. O representante da União Soviética, Dr. NN Zhukov-Verezhnikov tinha sido o especialista médico chefe no Julgamento de Khabarovsk da Unidade 731 oficiais japoneses acusados ​​de participar de guerra bacteriológica (também conhecida como biológica ou bacteriológica) antes e durante a Segunda Guerra Mundial, bem como conduzindo experiências horríveis em prisioneiros para promover esse objetivo. Zhukov-Verezhnikov escreveu artigos científicos ao longo dos anos 1970.

O próprio Needham, embora ridicularizado na imprensa ocidental por suas opiniões sobre a controvérsia do uso de armas biológicas pelos EUA durante a Guerra da Coréia, permaneceu um cientista altamente elogiado por anos após o relatório do ISC. Ele foi eleito membro da Academia Britânica em 1971. Em 1992, a Rainha conferiu a ele o Companheirismo de Honra.

O ISC viajou para a China e a RPDC no verão de 1952 e em setembro produziu o “Relatório da Comissão Científica Internacional para a Investigação dos Fatos Sobre a Guerra Bacteriana na Coreia e na China”, que corroborou as afirmações de chineses e coreanos de que os EUA havia usado armas biológicas de forma experimental em populações civis.

O relatório resumido tinha apenas cerca de 60 páginas, mas o ISC incluiu mais de 600 páginas de material documental incluindo depoimentos de testemunhas, incluindo aviadores envolvidos no lançamento do armamento, bem como agentes inimigos capturados; relatórios de médicos; artigos de periódicos dos Estados Unidos; relatórios de autópsia e testes de laboratório; e fotos e outros materiais. A maior parte desse material documental tem estado praticamente inacessível por décadas, com apenas algumas cópias do relatório do ISC em algumas bibliotecas espalhadas nos Estados Unidos.

O relatório concluiu que os Estados Unidos usaram uma série de armas biológicas, incluindo o uso de antraz, peste e cólera, disseminadas por mais de uma dúzia de dispositivos ou métodos diferentes, incluindo pulverização, bombas de porcelana, recipientes de papel autodestrutivos com um paraquedas de papel , e panfletos de bombas, entre outros.

Este artigo não pretende examinar toda a gama de opiniões ou evidências sobre se os EUA usaram ou não armas biológicas na Guerra da Coréia. Em vez disso, é uma tentativa de publicar a documentação essencial de tais reivindicações, documentação que foi efetivamente retida do povo americano e do Ocidente em geral por décadas.

As controvérsias:

As acusações de uso de guerra biológica pelos EUA durante a Guerra da Coréia têm sido objeto de intensa controvérsia. A confiança, em parte, no testemunho de prisioneiros de guerra dos EUA levou a acusações de “lavagem cerebral” nos EUA. Essas acusações mais tarde se tornaram a base de uma história de capa para a experiência secreta da CIA no uso de drogas e outras formas de interrogatório e tortura coercitiva que se tornou a base para seu manual KUBARK de 1963 sobre interrogatório e, muito mais tarde, uma poderosa influência sobre programa de “interrogatório aprimorado” pós-11 de setembro.

Os estudiosos do estabelecimento da Guerra Fria foram rápidos em desmascarar o relatório do ISC. As tentativas mais notáveis ​​nos últimos anos incluíram a publicação de supostas cartas escritas por oficiais da União Soviética discutindo a falta de evidências da guerra biológica dos EUA e a decisão de fabricar tais evidências para enganar o Ocidente. Posteriormente, um livro de memórias de 1997 de Wu Zhili, o ex-diretor da Divisão de Saúde do Exército Voluntário do Povo Chinês, foi publicado declarando que o suposto uso de agentes bacteriológicos nos EUA na Guerra da Coréia era realmente “um alarme falso”.

Como observaram dois acadêmicos canadenses que passaram anos pesquisando as alegações de guerra biológica chinês-coreana, se esses documentos fossem verdadeiros, isso iria contra a maior parte das evidências do arquivo, incluindo entrevistas com testemunhas pertinentes nos Estados Unidos e China. Algumas dessas evidências do arquivo são bastante recentes, incluindo a desclassificação da CIA de uma boa parte dos telegramas diários ultrassecretos da Guerra da Coréia.

Os telegramas que tratam de alegações coreanas de guerra biológica, que foram rejeitadas por oficiais dos EUA, provam que os coreanos estavam falando sério sobre o fato de que estavam sendo atacados por armas biológicas e que estavam preocupados que os relatórios de campo não fossem falsificados por pessoas assíduas, embora desinformadas, enviando relatórios de campo. Não há evidências de que oficiais ou pessoal coreano tenham se envolvido na falsificação de evidências de guerra biológica.

Também há muitas evidências de arquivo a serem encontradas nos materiais suprimidos do relatório de Needham. Por exemplo, o documento de Wu Zhili afirma: “durante todo o ano [1952–1953] nenhum paciente doente ou pessoa falecida teve qualquer relação com a guerra bacteriológica.”

Até recentemente, não houve nenhum esforço para disponibilizar os materiais originais de Needham para outros estudiosos ou o público avaliarem por si mesmos a verdade ou falsidade de suas análises. No ano passado, o estudioso Milton Leitenberg carregou uma cópia do relatório do ISC para o Scribd, mas é uma digitalização muito apagada e não pesquisável ou fácil de usar para o público. O lançamento não foi anunciado e o público em particular permanece ignorante de suas descobertas.

A versão do relatório do ISC publicada aqui utilizou equipamento de digitalização de livros de última geração e pode ser pesquisado por texto.

Censura da Unidade 731-U.S. Colaboração em dados de guerra biológica

Uma parte importante do relatório do ISC garantiu sua supressão nos Estados Unidos após sua publicação inicial. O relatório discutiu as atividades do destacamento de guerra biológica do Japão Imperial, Unidade 731, e o interesse dos EUA em suas atividades.

Em 1952, a colaboração entre os EUA e criminosos de guerra japoneses usando armas biológicas era ultrassecreta e totalmente negada pelos EUA

Mas hoje, até mesmo historiadores dos EUA aceitam que um acordo foi feito entre os EUA e membros da Unidade 731 e porções associadas das forças armadas japonesas que, de fato, vinham experimentando o uso de armas biológicas desde meados da década de 1930, experimentos que incluíram vivissecção humana e tortura bárbara de milhares de seres humanos, muitos dos quais foram eliminados em crematórios. Além disso, conforme descrito no capítulo do livro de Bernd Martin observado na bibliografia, houve colaboração entre os japoneses e o regime nazista nessas questões.

A colaboração dos EUA com criminosos de guerra japoneses da Unidade 731 foi formalmente admitida em 1999 pelo governo dos EUA, embora a documentação para esta confissão não tenha sido publicada até quase 20 anos depois.

É uma questão de registro histórico agora que o governo dos EUA concedeu anistia ao chefe do Japão na Unidade 731, o médico / general Shiro Ishii e seus cúmplices. A anistia foi mantida em segredo por décadas, até ser revelada pelo jornalista John Powell em um artigo marcante para o Bulletin of Atomic Scientists em outubro de 1981.

O que veio a ser conhecido como relatório Needham, devido ao fato de o ISC ser chefiado pelo prestigioso cientista britânico, foi imediatamente atacado após a divulgação. O relatório ainda é um ponto de partida para os estudiosos. Um artigo de 2001 da Associação Histórica do Reino Unido detalhou como as autoridades da ONU e do governo do Reino Unido colaboraram nas tentativas de desmascarar as descobertas do ISC. O Ministério das Relações Exteriores do Reino Unido divulgou memorandos dizendo que as alegações de guerra bacteriológica japonesa, que remontavam a 1941, foram “oficialmente não comprovadas”. (Ver artigo de Tom Buchanan na Bibliografia).

A sensibilidade do material descoberto pelo ISC tocou duas áreas de pesquisa secreta do governo dos EUA. Em primeiro lugar, foram os próprios planos do governo dos EUA de pesquisar e possivelmente implementar a guerra bacteriológica. A segunda questão dizia respeito às confissões de aviadores dos EUA sobre como eles foram informados e implementados testes de guerra biológica durante a Guerra da Coréia.

A China publicou as confissões de 19 aviadores dos EUA, mas essas confissões também são notoriamente difíceis de obter. O relatório do ISC publicado aqui inclui algumas dessas “confissões”, e o público pode decidir por si mesmo o quão autêntico ou genuíno é.

Image for post

Os Estados Unidos alegaram que os pilotos foram torturados e a CIA propagou a ideia de que eles sofreram uma “lavagem cerebral” por métodos diabólicos, causando um susto sobre os programas “comunais” de controle da mente e o “menticídio”, que usaram para justificar o gasto de milhões de dólares para programas de controle mental dos EUA durante as décadas de 1950–1970.

Os programas, com o codinome Bluebird, Artichoke e MKULTRA, entre outros, usaram experimentos em civis inconscientes, bem como em soldados submetidos a supostos treinamentos anti tortura nas escolas SERE dos militares. Eu mostrei por meio de registros públicos que os cientistas da CIA continuaram a usar experimentos sobre “estresse” nas escolas do SERE¹ depois do 11 de setembro e acredito que tais pesquisas incluíram experimentos na CIA e / ou detentos mantidos pelo Departamento de Defesa. Que tal pesquisa tenha ocorrido pode ser inferido a partir do lançamento em novembro de 2011 de um novo conjunto de diretrizes sobre pesquisa do Departamento de Defesa. Esta versão mais recente de uma instrução padrão (Diretriz Departamento de Defesa 3216.02) continha pela primeira vez uma proibição específica contra pesquisas feitas em detidos. (Consulte a seção 7c.)

Acredito que um argumento forte pode ser feito, embora os métodos coercitivos, principalmente o isolamento, tenham sido usados ​​nos prisioneiros de guerra dos EUA que mais tarde confessaram, e suas confissões eram basicamente verdadeiras. A ideia de que apenas falsas confissões resultam de tortura é, na verdade, falsa em si. Embora falsas confissões possam resultar de tortura (bem como métodos menos onerosos, como a Técnica Reid, usada atualmente por departamentos de polícia nos Estados Unidos), às vezes também podem ocorrer confissões reais. Tenho experiência em primeira mão de trabalhar com sobreviventes de tortura para saber que isso é verdade.

Enquanto isso, pelo menos um cientista trabalhando em Ft. Detrick, na época, admitiu para investigadores de documentários alemães antes de morrer que os EUA realmente estiveram envolvidos na guerra bacteriológica na Coréia. (Veja o documentário, “Nome de código: Alcachofra”.)

Uma “investigação real … pode nos causar danos psicológicos e militares”

As acusações de uso de armas biológicas pelos EUA durante a Guerra da Coréia são ainda mais incendiárias do que as alegações agora comprovadas de que os EUA anistiaram médicos militares japoneses e outros que trabalhavam com armas biológicas que fizeram experimentos em seres humanos e, por fim, mataram milhares em usos operacionais dessas armas contra a China durante o conflito sino-japonês da Segunda Guerra Mundial. A anistia foi o preço pago pelos militares e pesquisadores de inteligência dos EUA para ter acesso ao tesouro de pesquisas, muitas delas por meio de experimentos humanos fatais, que os japoneses desenvolveram ao longo de anos de estudo e desenvolvimento de armas para guerra biológica.

Durante a Guerra da Coréia, os EUA negaram veementemente as acusações de uso de armas biológicas e exigiram uma investigação internacional por meio das Nações Unidas. Os chineses e coreanos ridicularizaram tais ofertas, pois eram forças sancionadas pelas Nações Unidas que se opunham a eles na guerra e bombardeavam suas cidades. Mas, nos bastidores, o governo dos EUA iniciou uma campanha para impugnar o relatório do ISC, algo que eles acharam difícil, como descobriram, de acordo com um documento divulgado pela CIA que revelei em dezembro de 2013. O documento também mostrou que os EUA consideraram a convocação uma investigação da ONU para ser mera propaganda.

Em uma reunião de alto nível de inteligência e funcionários do governo em 6 de julho de 1953, as autoridades dos EUA admitiram a portas fechadas que os EUA não levavam a sério a realização de qualquer investigação sobre essas acusações, apesar do que o governo disse publicamente.

De acordo com este documento, o motivo pelo qual os EUA não queriam qualquer investigação era porque uma “investigação real” revelaria operações militares, “que, se reveladas, poderiam nos causar danos psicológicos e militares”. Um “memorando do Conselho de Estratégia Psicológica (CEP) detalhando esta reunião especificamente declarado como um exemplo do que poderia ser revelado” Preparações ou operações do 8º Exército (por exemplo, guerra química).

As acusações de guerra química pelos americanos durante a Guerra da Coréia faziam parte de um relatório de uma organização de advogados influenciada pelos comunistas em visita à Coreia, e suas descobertas foram rejeitadas como propaganda pelas autoridades e comentaristas dos EUA. Mas o memorando sugere que talvez eles estivessem certos.

Pouco depois de eu publicar o documento do CEP e o artigo que o acompanha, o estudioso Stephen Endicott escreveu para me lembrar que ele e seu associado Edward Hagerman, coautores do livro de 1998, Os Estados Unidos e a Guerra Biológica: Segredos da Guerra Fria e Coréia (ver bibliografia), encontraram material que indicava que o apelo dos EUA por “inspeção internacional para combater as acusações chinesas e coreanas … foi menos do que sincero”.

Endicott e Hagerman descobriram que o Comandante do Extremo Oriente dos Estados Unidos, general Matthew Ridgway, havia “secretamente dado permissão para negar o acesso de potenciais inspetores da Cruz Vermelha a quaisquer fontes específicas de informação ‘”. Além disso, eles documentaram um memorando do Departamento de Estado datado de 27 de junho, 1952, em que o Departamento de Defesa notificou que era “impossível” para o embaixador da ONU na época afirmar que os Estados Unidos não pretendiam usar “guerra bacteriológica — mesmo na Coréia”. (p.192, Endicott e Hagerman)

O Julgamento de Crimes de Guerra de Khabarovsk

O relatório do ISC também faz referência ao julgamento de crimes de guerra de dezembro de 1949 realizado pela URSS em Khabarovsk, não muito longe da fronteira chinesa. O julgamento de criminosos de guerra japoneses associados às unidades 731, 100 e outras divisões de guerra biológica seguiu-se a quase um apagão, diferentemente dos maiores julgamentos de crimes de guerra de Tóquio realizados pelos Aliados alguns anos antes.

No momento do julgamento de Khabarovsk, a mídia dos EUA e funcionários do governo ignoraram os procedimentos ou os denunciaram como mais um “julgamento-espetáculo” soviético. Os soviéticos, por sua vez, publicaram os procedimentos e os distribuíram amplamente, inclusive em inglês. Cópias deste relatório são mais fáceis de encontrar para comprar usados, embora caras, na Internet. Além disso, nos últimos anos, o Google disponibilizou on-line uma cópia do antigo volume soviético (consulte a Bibliografia). Mas nenhuma edição acadêmica foi publicada.

Mesmo assim, os historiadores dos EUA foram forçados ao longo dos anos a aceitar as conclusões do tribunal de Khabarovsk, embora a população em geral e os relatos da mídia permaneçam em sua maioria ignorantes de que tal julgamento jamais aconteceu. O fato de os soviéticos também documentarem o uso de experimentos biológicos japoneses em prisioneiros de guerra dos EUA foi altamente controverso, negado pelos EUA por décadas e foi uma questão bastante controversa nas décadas de 1980–1990. Enquanto um historiador ligado aos Arquivos Nacionais discretamente determinou que tais experimentos de fato ocorreram, o problema silenciosamente saiu do radar do país. (Ver L. G. Goetz na bibliografia.)

A relevância dessas questões é, naturalmente, a guerra de propaganda em curso entre os Estados Unidos e a República Democrática Popular da Coréia, bem como a realocação de recursos do Pentágono para o teatro asiático para uma possível guerra futura contra a China. Mas é a clara ameaça de um intercâmbio nuclear entre a República Democrática Popular da Coréia e os Estados Unidos que pede clareza em torno das questões que geraram desconfiança entre os dois países. Essa clareza exige a divulgação de todas as informações que ajudariam a população dos EUA a entender o ponto de vista coreano. Tal compreensão e ação com base em tal conhecimento podem ser tudo o que nos separa de uma guerra catastrófica que poderia matar milhões de pessoas.

A história por trás da Guerra da Coréia e as ações militares e secretas dos EUA em relação à China, Japão e Coréia são uma questão de ignorância quase total da população dos EUA. As acusações de “lavagem cerebral” de prisioneiros de guerra dos EUA, em um esforço contínuo para ocultar evidências de experimentos e julgamentos de guerra biológica dos EUA, também se entrelaçaram na propaganda usada para explicar o programa de tortura e interrogatório pós-11 de setembro e o passado de álibi crimes cometidos pela CIA e pelo Departamento de Defesa por anos de programas ilegais de controle da mente praticados como parte do MKULTRA, MKSEARCH, ARTICHOKE e outros programas.

1 — SERE (Survival, Evasion, Resistance and Escape): Sobrevivência, Evasão, Resistência e Fuga é um programa de treinamento mais conhecido por sua sigla militar que prepara militares dos EUA, civis do Departamento de Defesa dos EUA e empreiteiros militares privados para sobreviver e “retornar com honra” em vários cenários de sobrevivência.

Bibliografia

Daniel Barenblatt, A Plague Upon Humanity: The Secret Genocide of Axis Japan’s Germ Warfare Operation, HarperPerennial, 2005

Tom Buchanan, “The Courage of Galileo: Joseph Needham and the ‘Germ Warfare’ Allegations in the Korean War,” The Historical Association, Blackwell Publishers, 2001

Dave Chaddock, This Must Be the Place: How the U.S. Waged Germ Warfare in the Korean War and Denied It Ever Since, Bennett and Hastings Publishers, 2013

Stephen Endicott & Edward Hagerman, The United States and Biological Warfare: Secrets from the Early Cold War and Korea, Indiana University Press, 1998

Stephen Endicott & Edward Hagerman, “Twelve Newly Released Soviet-era `Documents’ and allegations of U. S. germ warfare during the Korean War,” online publication, 1998, URL: http://www.yorku.ca/sendicot/12SovietDocuments.htm

Stephen Endicott & Edward Hagerman, “False Alarm? ‘The Bacteriological War of 1952’: Comment on Director Wu Zhili’s Essay,” online publication, June 1, 2016, URL: http://www.yorku.ca/sendicot/On%20WuZhili-false-alarm.pdf [accessed May 14, 2017]

Sheldon H. Harris, Factories of Death: Japanese Biological Warfare, 1932–45, and the American Cover-up, rev. ed., Routledge Press, 2002

Linda Goetz Holmes, Guests of the Emperor: The Secret History of Japan’s Mukden POW Camp, Naval Institute Press, June 2010.

Jeffrey Kaye, “CIA Document Suggests U.S. Lied About Biological, Chemical Weapon Use in the Korean War,” Shadowproof, Dec. 10, 2013, URL: https://shadowproof.com/2013/12/10/cia-document-suggests-u-s-lied-about-biological-chemical-weapon-use-in-the-korean-war/ (accessed February 21, 2018)

Materials on the Trial of Former Servicemen of the Japanese Army Charged With Manufacturing Bacteriological Weapons [Testimony and Exhibits from the Khabarovsk War Crimes Trial], Foreign Languages Publishing House, Moscow, 1950, published as free e-book at Google Books, URL: https://books.google.com/books?id=ARojAAAAMAAJ [accessed May 14, 2017]

Milton Leitenberg, “New Russian Evidence on the Korean War Biological Warfare Allegations: Background and Analysis,” Cold War International History Project, Bulletin 11, 1998

Milton Leitenberg, “China’s False Allegations of the Use of Biological Weapons by the United States during the Korean War,” CWIHP Working Paper #78

March 2016, URL: https://www.wilsoncenter.org/publication/chinas-false-allegations-the-use-biological-weapons-the-united-states-during-the-korean [accessed May 14, 2017]

Jeffrey A. Lockwood, Six-Legged Soldiers: Using Insects as Weapons of War, Oxford Univ. Press, 2010

Bernd Martin, “Japanese-German collaboration in the development of bacteriological and chemical weapons and the war in China,” in Japanese-German Relations, 1895–1945: War, Diplomacy and Public Opinion (Christian W. Spang, Rolf-Harald Wippich, eds.), Routledge, 2006

John Powell, “A Hidden Chapter in History,” Bulletin of the Atomic Scientists, October 1981

Peter Williams and David Wallace, Unit 731: The Japanese Army’s Secret of Secrets, Hodder & Stoughton, 1989 [Note: The U.S. version of this book, published by Free Press, does not include Chapter 17 on the Korean War, which is only available in the British Hodder & Stoughton version.]

Notas de Rodapé do Texto original

[1] Robert M. Neer, Napalm: An American Biography, 2013, Belknap Press, pg. 100.

[2] “Boris Pash and Science and Technology Intelligence,” Masters of the Intelligence Art series, U.S. Army Intelligence Center, Ft. Huachuca, undated. URL: http://huachuca-www.army.mil/files/History_MPASH.PDF (retrieved 1/20/2018)

In regards to Pash’s association with the CIA, we don’t know when his involvement with the Agency began, but it appears to have been quite early. Watergate defendant E. Howard Hunt told Congressional investigators in 1976 Pash was involved in assassination activities for the CIA during the 1960s. See “Executive Session, Saturday, January 10, 1976, United States Senate, Select Committee to Study Governmental Operations with Respect to Intelligence Activities, Washington, D.C.” URL: http://blog.nuclearsecrecy.com/wp-content/uploads/2015/12/1976-Executive-Session-Hunt-testimony-on-Pash.pdf (retrieved 1/20/2018)

[3] See URL: https://en.wikipedia.org/wiki/Joseph_Needham (retrieved 1/20/18). The article drew the information from Winchester, Simon (2008), The Man Who Loved China: The Fantastic Story of the Eccentric Scientist Who Unlocked the Mysteries of the Middle Kingdom. New York: HarperCollins.

[4] Leitenberg, Milton. (1998). Resolution of the Korean War Biological Warfare Allegations. Critical reviews in microbiology. 24. 169–94. 10.1080/10408419891294271.

[5] “Wu Zhili, ‘The Bacteriological War of 1952 is a False Alarm’,” September, 1997, History and Public Policy Program Digital Archive, Yanhuang chunqiu no. 11 (2013): 36–39. Translated by Drew Casey. https://digitalarchive.wilsoncenter.org/document/123080

[6] “False Alarm? The Bacteriological War of 1952 — Comment on Director WuZhili’s Essay” by Stephen Endicott and Edward Hagerman, Department of History, York University (ret.), June 2016, http://www.yorku.ca/sendicot/On%20WuZhili-false-alarm.pdf

[7]“Baptism By Fire: CIA Analysis of the Korean War Overview,” URL: https://www.cia.gov/library/readingroom/collection/baptism-fire-cia-analysis-korean-war-overview

[8] For a full discussion, see “Updated: The Suppressed Report on 1952 U.S. Korean War Anthrax Attack,” https://valtinsblog.blogspot.com/2017/04/revealed-suppressed-report-on-1952-us.html

[9] Jeffrey S. Kaye, “Department of Justice Official Releases Letter Admitting U.S. Amnesty of Japan’s Unit 731 War Criminals,” Medium.com, May 14, 2017, URL: https://medium.com/@jeff_kaye/department-of-justice-official-releases-letter-admitting-u-s-amnesty-of-unit-731-war-criminals-9b7da41d8982

[10] URL: https://www.cultureunplugged.com/documentary/watch-online/play/9586/Code-Name-Artichoke

[11] Jeffrey Kaye, “CIA Document Suggests U.S. Lied About Biological, Chemical Weapon Use in the Korean War,” Shadowproof, Dec. 10, 2013, URL: https://shadowproof.com/2013/12/10/cia-document-suggests-u-s-lied-about-biological-chemical-weapon-use-in-the-korean-war/# (accessed May 14, 2017)

[12] For the actual memorandum document, see URL: https://www.cia.gov/library/readingroom/docs/CIA-RDP80R01731R003300190004-6.pdf

Link do Texto original: https://medium.com/insurge-intelligence/the-long-suppressed-korean-war-report-on-u-s-use-of-biological-weapons-released-at-last-20d83f5cee54

Jeffrey Kaye é um psicólogo aposentado que trabalhou profissionalmente com vítimas de tortura e requerentes de asilo. Ativo no movimento anti-tortura desde 2006, ele tem seu próprio blog, Invictus, que escreveu regularmente para The Dissenter, de Firedoglake, bem como para The Guardian, Truthout, Alternet e The Public Record. Ele é o autor de Cover-Up at Guantanamo, um novo livro que examina arquivos desclassificados sobre o tratamento de prisioneiros no campo de detenção de Guantánamo.

Tradução do texto por: Bismark Castro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *